Saber da Saúde | Iniciativa Boston Scientific

Dor é algo profundamente
pessoal

Ouvir texto - 31 segundos

Falta de lazer. Problemas nos
relacionamentos. Carreira prejudicada.
A dor pode tirar muito do que faz de você
quem você é.

Nosso objetivo é compartilhar informação e todos os recursos para ajudar o maior número de pessoas a encontrar o alívio. Você conhece
sua dor melhor do que ninguém, mas
talvez haja uma oportunidade para
aprender ainda mais.

Dor aguda vs. Dor crônica

Existem duas categorias de dor: dor aguda e dor crônica. Ambas podem se
manifestar de forma leve, moderada ou severa.

O que é dor aguda

Ouvir texto - 17 segundos

O que é dor aguda

Ouvir texto - 17 segundos

Ocorre imediatamente após um ferimento, como
queimadura ou fratura, ou devido a um procedimento
médico invasivo, como uma cirurgia. Desaparece quando
diagnosticada e tratada corretamente1-3.

O que é dor crônica

Ouvir texto - 18 segundos

O que é dor crônica

Ouvir texto - 18 segundos

Qualquer tipo de dor persistente que dure 6 meses ou
mais. O tratamento é difícil pois duas pessoas não
sentem dor da mesma forma. Além disso, indivíduos
que apresentam o mesmo tipo de dor podem precisar
de tratamentos diferentes4,5.

A Boston
Scientific
trata vários
tipos de dor

Dependendo da causa da dor, oferecemos soluções não farmacológicas que proporcionam alívio profundo em diversas áreas do corpo.

Entenda sua dor e os tipos de terapia disponíveis

Entender e controlar a sua dor

Uma coisa sobre a dor é que você sabe quando a tem. E se você convive com dor crônica, isso o desgasta fisicamente, mentalmente e emocionalmente.

Uma dor. Diferentes tratamentos.

Ouvir texto - 24 segundos

A dor pode ter muitas causas e o tratamento medicamentoso geralmente é o primeiro passo para seu controle. A melhor terapia vai depender do tipo de dor e de como ela está afetando suas funções. Para cada caso, o médico especialista irá desenvolver um plano de tratamento personalizado.

Tratamentos não invasivos

Ouvir texto - 42 segundos

A partir de uma avaliação e recomendação médica, alguns tratamentos iniciais podem ser indicados ou prescritos com o objetivo de reduzir os sintomas de dor.

Não medicamentoso

• Descanso e pausas
• Alimentação saúdavel
• Atividade física e fisioterapia
• Acupuntura
• Outras atividades que promovam o bem-estar

Medicamentoso

• Fármacos opióides e não opióides
• Analgésicos
• Relaxantes musculares
• Anticonvulsiovantes
• Alguns tipos de antidepressivos

Tratamentos intervencionistas

Ouvir texto - 1:00

Oferecem alívio duradouro de forma minimamente invasiva e com recuperação mais rápida do que a maioria dos procedimentos cirúrgicos6.

Tratamentos
intervencionistas
para a dor

Ouvir texto - 1:02

Oferecem alívio duradouro de forma menos invasiva e com recuperação mais rápida do que a maioria dos procedimentos cirúrgicos.

Estimulação
Medular (SCS)

Envia sinais elétricos para o cérebro através de um dispositivo implantado, interrompendo a percepção da dor de forma única e personalizada para cada paciente1.

Saiba mais

Ablação por
Radiofrequência

Procedimento ambulatorial minimamente invasivo que usa energia térmica para interromper os sinais de dor em sua origem7.

Saiba mais

Injeção epidural
de esteróides (ESI)
ou Bloqueio
de Nervos

Injeção de um anestésico, esteróide ou anti-inflamatório na região dolorida8.

Tratamentos cirúrgicos

Ouvir texto - 1:12

São procedimentos que podem ser necessários para corrigir danos estruturais ou para aliviar dores que não respondem a outras terapias.

Cirurgia

Tratamentos cirúrgicos como laminectomia e fusão espinhal podem ser necessários quando problemas estruturais ocorrem na coluna vertebral. Geralmente, esses tratamentos demandam hospitalização e reabilitação prolongada no pós-operatório9.

Bombas de Infusão

São bombas implantáveis que liberam medicação para controle da dor diretamente nas regiões ao redor da medula espinhal.
Essas bombas precisam de cuidados especializados com alta frequência10.

Outros Procedimentos

Último recurso quando outras terapias falham. Técnicas como bloqueadores neurolíticos e cordotomia destroem permanentemente nervos e tecidos que conduzem a dor. Geralmente são utilizados para alívio em pacientes com câncer ou outras doenças sem cura11.

Medicina da dor

Ouvir texto - 1:08

Na maioria dos casos, os médicos que acompanham os pacientes com dor crônica são os reumatologistas e ortopedistas, pois geralmente estes são os primeiros profissionais procurados em um caso de dor. Porém, atualmente já existe uma área médica ainda pouco conhecida: a Medicina da Dor, também conhecida como Medicina Intervencionista da Dor.

Os médicos especialistas nessa área possuem treinamento especial em avaliação, diagnóstico e tratamento dos diferentes tipos de dor, podendo ser de diversas especialidades, tais como: Neurologista, Neurocirurgião, Ortopedista, Anestesista, Radiologista, Reumatologista, Geriatra, entre outros.

O principal objetivo desta área médica é reduzir e controlar a dor, ajudando o paciente a ter mais qualidade de vida e retomar suas atividades cotidianas, aspectos que podem ficar prejudicados com a condição.

Ajude seu
médico
a entender
sua dor

Cada pessoa sente dor de uma forma e isso pode dificultar a sua comunicação com o médico. Separamos algumas dicas para ajudar você a expressar as particularidades dos seus sintomas.

Entenda seu Nível de Dor

Ouvir texto - 19 segundos

Os médicos geralmente usam escalas de dor para medir sua intensidade, duração e impacto emocional.

Compreender o que os números e descrições da escala significam ajuda você e seu médico a falarem a mesma língua.

Use descrições e comparações

Ouvir texto - 24 segundos

Forneça explicações bem detalhadas do que você está sentindo.

Termos comuns incluem: queimação, pontadas, pressão, dor latejante ou a sensação de agulhadas.

Uma boa descrição pode ajudar seu médico a entender a causa da sua dor e o que está contribuindo para os seus sintomas.

Descreva seu dia

Ouvir texto - 17 segundos

Conte as atividades que você ainda faz ou que deixou de fazer.

Explique como a dor afeta sua habilidade de executar tarefas específicas.

Isso pode identificar limitações e ajudar a destacar atividades que você deve evitar.

Acompanhe sua dor

Ouvir texto - 19 segundos

Use uma agenda ou diário e escreva as informações da dor que você sente.

Anote a frequencia que o nível da dor oscila (de hora em hora, minutos etc.).

Seu médico pode procurar padrões que ajudem a melhor definir sua dor.

Encontre alívio para sua dor

Faça o teste e descubra

Responder ao QUIZ

Últimos artigos

Histórias

"Minha nova vida, após anos de dor"

Como a neuroestimulação mudou a vida de Joicy Guimarães Raimundo, 36, que sofria de dores intensas na coluna após um acidente de moto.

Hoje, 1 ano e 4 meses após implantar o neuroestimulador medular, Joicy teve suas medicações reduzidas e conseguiu o tão sonhado controle das dores para voltar a fazer as tarefas do dia a dia:
“Não imagino mais a minha vida sem esse tratamento. Provavelmente estaria de volta a uma cama, com dores extremas”


Um acidente de trabalho, em uma motocicleta, deu início às dores crônicas na coluna que Joicy Guimarães Raimundo, 36 anos, sente até hoje. Isso aconteceu em 2017 e de lá para cá foram muitas cirurgias realizadas, incluindo uma para colocação de placas e parafusos na coluna, somadas a terapias de infiltrações e diversas outras, sem que nada pudesse melhorar a sensação insuportável de dor que a impediam até mesmo de se levantar da cama para realizar tarefas corriqueiras do dia a dia, como dirigir ou realizar a limpeza da casa.

“Após meu acidente, eu tentei vários tipos de tratamento, como fisioterapia, quiropraxia, acupuntura e RPG, mas continuava a sentir dores que não me deixavam ficar nem muito tempo sentada, nem muito tempo em pé”, relata.

Esse incômodo intenso é típico de pacientes com dores crônicas refratárias, ou seja, que não melhoram mesmo depois de vários tipos de tratamentos diferentes, mesmo usando medicações em doses otimizadas ou com sessões de fisioterapia, acupuntura ou infiltrações.

Para casos assim, a neuroestimulação tem apresentado bons resultados no controle da dor e, principalmente, na melhora da qualidade de vida dos pacientes, como aconteceu com a própria Joicy.

Assista ao relato completo de Joicy aqui

“O tratamento com o sistema de neuroestimulação é indicado para pacientes com dores do padrão neuropático, que resultam muitas vezes de uma cirurgia anterior na coluna, nos pés ou nos ombros, por exemplo”, conta Dra. Catarina Couras Lins, neurocirurgiã especialista em Dor pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

Para que a neuromodulação aconteça, é preciso realizar um procedimento minimamente invasivo em que um eletrodo é fixado na coluna vertebral e conectado a um gerador, que é o neuroestimulador em si, como descreve Catarina. “É esse neuroestimulador que mandará um sinal elétrico até o eletrodo para que a comunicação entre a medula e o cérebro seja modulada, ou seja, modificada para que o processamento das informações que chegam até o cérebro não transmitam a sensação de dor”, completa a médica.

Graças a essa tecnologia, Joicy e outros pacientes conseguem sentir um alívio imediato da dor, com uma melhora no bem-estar geral do paciente em poucos minutos, sem mesmo que ele perceba o estímulo acontecendo.

“Uso o neuroestimulador há um ano e quatro meses e desde então eu consegui reduzir muito a dosagem das minhas medicações para a dor. Procuro seguir sempre todas as recomendações médicas”, conta Joicy.

Para quem sente dores crônicas e está em dúvida sobre o procedimento, Joicy deixa um recado. “Minha vida melhorou depois da neuroestimulação. As dores terríveis que eu sentia diminuíram muito e digo que só não voltei 100% ao que era antes porque, claro, temos as nossas limitações. Não posso ter nenhum tipo de impacto na coluna, pois o acidente também atingiu a medula, mas recuperei 98% da minha qualidade de vida e quero mantê-la assim por muitos e muitos anos", finaliza.

=

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2023 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde

ATENÇÃO III: O conteúdo desse video é apenas para fins informativos e não para diagnósticos médicos. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde.

ATENÇÃO IV: Os resultados de estudos de caso não são necessariamente preditivos de resultados em outros casos. Os resultados de outros casos podem variar.

NM = 1595207 – AA – Saber da Saúde

Histórias

Conheça a história de Paulo e sua luta para aliviar a dor crônica

Paulo Sérgio Ribeiro, assim como boa parte dos pacientes com dores crônicas, aguardou muitos anos para dar início ao tratamento adequado.

A dor crônica, caracterizada por durar seis meses ou mais sem melhora nos sintomas, costuma ser sinônimo de sofrimento e estresse para os pacientes. Sem encontrar alívio para o incômodo, muitos relatam incapacidade de realizar tarefas diárias e percebem claramente que sua qualidade de vida diminui com o passar do tempo.

A estimativa mundial é que entre 20 e 40% da população seja afetada por uma dor crônica em algum momento da vida, o que faz do quadro um problema de Saúde Pública. No Brasil, uma revisão sistemática feita em 20211 indica que a prevalência média desse tipo de dor no país é de 45,59%, sendo que 14,5% possuem dores crônicas neuropáticas, cujos sintomas podem incluir queimação e sensação de choques que costumam ser difíceis de tratar.

Entre os brasileiros com dores crônicas, a da região lombar é mais comum: atinge 41,96% dos pacientes. Em segundo lugar vem a dor em membros inferiores2, que é exatamente o tipo que acomete Paulo Sérgio Ribeiro, de 52 anos.

História de Paulo Sérgio: por 19 anos ele conviveu com Dor Crônica e sem qualidade de vida

A história de Paulo começou logo após um acidente que sofreu dentro de casa, há 19 anos: “Eu me lembro de estar próximo a uma porta quando percebi que um vento forte ia fechá-la. Para impedir a batida, coloquei meu pé para trás e segurei. Só que com isso, o vidro da porta quebrou e parte dele caiu em cima do meu tendão de Aquiles e dos nervos surais”, descreve.

Esse longo período até um tratamento efetivo ocorre também pela demora no diagnóstico da dor crônica. Um recente estudo3 publicado em 2021 no Reino Unido mostrou que, em média, a espera por uma consulta com especialista em dor crônica era de seis meses ou mais para 77% dos pesquisados e 35% chegaram a aguardar até dois anos para o primeiro atendimento.

Paulo também precisou passar por várias cirurgias na tentativa de tratar os tendões prejudicados: “Somente quando descobriram que meus nervos estavam degenerados é que me encaminharam para o tratamento da dor. Antes disso, realizei 14 cirurgias até chegar o momento em que eu não suportava mais a dor”, relembra.

Nessa nova fase do tratamento, Paulo tentou inúmeras terapias, como acupuntura, uso de remédios controlados e fisioterapia, mas não teve resultados positivos. “Finalmente fui encaminhado para o tratamento com um médico neurologista, que tentou diversos caminhos: terapias nos nervos das minhas pernas além de remédios que me faziam mal, por causa dos efeitos colaterais, e ainda por cima não acabavam com a dor.”

Nessa etapa de sua jornada, Paulo conta ter ficado com sequelas sérias, como o “pé caído”, e precisou buscar ajuda de outros especialistas como ortopedistas especializados em tratamento de pés diabéticos. “Dentre tantos tratamentos que os médicos me indicaram, decidiram implantar uma bomba de morfina em mim e eu fiquei com ela por cinco anos, até que o medicamento vazou e se espalhou pelo meu corpo. Foi preciso ficar uma semana internado no hospital para eu me recuperar. E, claro, depois disso, essa solução já não era mais possível”, conta.

Estimulação da Medula Espinhal: o último recurso para tratar a dor crônica neuropática

A história de Paulo demorou a ter um final positivo de alívio para a dor. Foi apenas com a decisão pelo implante de eletrodo de estimulação medular que o desconforto melhorou e, hoje, é algo suportável.“Eu ainda sinto um pouco de dor, mas estou bem melhor. O uso do eletrodo é bem confortável e desde que comecei a usá-lo, há pouco mais de um ano, minha qualidade de vida melhorou em cerca de 80%. Não sinto mais crises como antes e só de vez em quando a dor aumenta um pouco, mas daí basta eu ajustar a intensidade da neuroestimulação e tudo volta ao normal.”

Para os milhares de brasileiros que se identificaram com o relato de Paulo e sentem dores crônicas incapacitantes, ele deixa um recado. “Tenha paciência, persistência e não desista de procurar ajuda e orientação médica. Para mim demorou 19 anos, mas talvez, ao ler minha história, esse período seja mais breve para você. O importante é que, agora, estou bem e sem dor.”

Quer saber mais sobre dor crônica e tratamentos? Acesse nossa página Existe Vida Sem Dor.

¹ Prevalência de dor crônica no Brasil: revisão sistemática. Aguiar, SP et al. BrJP. São Paulo, 2021 jul-set;4(3):257- 67

² Prevalência de dor crônica no Brasil: revisão sistemática. Aguiar, SP et al. BrJP. São Paulo, 2021 jul-set;4(3):257- 67

³ The burden of waiting to access pain clinic services: perceptions and experiences of patients with rheumatic conditions. Simon Deslauriers, BMC Health Serv Res v.21; 2021

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2023 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde.

ATENÇÃO III: O conteúdo desse video é apenas para fins informativos e não para diagnósticos médicos. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde.

ATENÇÃO IV: Os resultados de estudos de caso não são necessariamente preditivos de resultados em outros casos.

Os resultados de outros casos podem variar.
NM = 1595207 – AA – Saber da Saúde

Síndrome da dor regional complexa: tratamento multimodal é a chave

Sistema Nervoso

Síndrome da dor regional complexa: tratamento multimodal é a chave

O uso de fármacos associado a fisioterapias, neuromodulação e tratamentos psicológicos, entre outras terapias, têm surtido os melhores resultados

A dor aparece logo após um trauma, que pode ser desde uma pancada no local até mesmo uma queimadura. Mas o que difere a síndrome da dor regional complexa (SDRC) de um evento isolado é a intensidade do desconforto: bem maior do que o esperado e até mesmo desproporcional para o trauma em questão. E, pior, o incômodo costuma durar muito mais tempo do que seria o esperado, sem nenhum alívio na dor¹ .

A síndrome da dor regional complexa acomete mais os adultos jovens e é de 2 a 3 vezes mais comum em mulheres²

Quem desenvolve a SDRC costuma descrever a dor usando termos como dor espontânea, queimação intensa, dor lancinante, aguda, com pontadas ou tipo choque elétrico³ . Como não existe nenhum exame laboratorial ou de imagem capaz de comprovar a condição, o diagnóstico é sempre clínico, sendo que alguns testes podem ser solicitados apenas para descartar outras patologias, como radiografias e eletromiografia, para registro de atividade muscular.

A SDRC, em geral, possui sintomas unilaterais, ou seja, apenas um membro é afetado, seja ele mão, pé, braço ou perna. Mas o quadro se divide em dois tipos distintos⁴ :

  • Tipo I: Ocorre após uma lesão de tecido mole ou ósseo e já foi chamada de distrofia simpático-reflexa. É comum que apareça após uma colisão, afetando um membro inferior, mas também pode ser resultado de um infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) ou até em casos de câncer, como os que acometem mamas, pulmão, ovários ou tumores do sistema nervoso central. Outro fator recorrente é a dor aparecer após a imobilização do membro com gesso.
  • Tipo II: As causas costumam ser parecidas com a SDRC do tipo I, com a diferença crucial de que a lesão acontece em um nervo periférico, antes chamada de causalgia.

Tratamento multimodal

É difícil calcular o prognóstico de evolução da dor: pacientes com SDRC podem ficar anos estáveis até terem uma nova crise que progride e se dissemina para outras áreas do corpo5. Por isso, o objetivo maior do tratamento é aumentar a mobilidade e o uso do membro afetado. E, para tanto, muitas terapias se fazem necessárias.

Dentre as terapias utilizadas, tem surtido bons resultados o uso de fármacos, de fisioterapia, do bloqueio simpático por meio de infusão de anestésicos, de tratamentos psicológicos e da terapia do espelho.

A terapia com estimulação dos nervos pode também ser indicada como tratamento e tem trazido bons resultados: “A neuromodulação, que é a modificação das conexões neurais, permite gerar uma terapia efetiva de alívio da dor nesses pacientes”, finaliza a neurocirurgiã Catarina Couras Lins, especialista em Dor pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

¹ Síndrome da Dor Regional Complexa. BMJ Best Practice. Última revisão Março 2023.
² Síndrome da Dor Regional Complexa (SDRC). Manual MSD Profissional de Saúde. Acesso em Abril 2023.
³ Síndrome da Dor Regional Complexa. BMJ Best Practice. Última revisão Março 2023.
Síndrome da Dor Regional Complexa (SDRC). Manual MSD Profissional de Saúde. Acesso em Abril 2023.
5 Síndrome da Dor Regional Complexa (SDRC). Manual MSD Profissional de Saúde. Acesso em Abril 2023.

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2023 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde.

NM – 1595207 - AA – Saber da Saúde

Cadastre-se e receba mais informações