Saber da Saúde | Iniciativa Boston Scientific

Use o menu abaixo e explore artigos sobre cada condição clínica

Todas as áreas terapêuticas
  • Neurologia
  • Coração
  • Saúde Urológica
  • Cânceres e Tumores
  • Sistema Circulatório
  • Obesidade
  • Outras Condições
  • Acesso a saúde
  • Destaques
  • Todas as áreas terapêuticas

Incontinência Urinária

Ouvir texto - 10:35

A incontinência urinária - perda involuntária de urina - é um problema comum e frequentemente embaraçoso. A intensidade varia de perder urina ocasionalmente ao tossir ou espirrar a ter uma vontade tão repentina e forte de urinar que você não consegue chegar ao banheiro a tempo.

O que é incontinência urinária?

Embora ocorra com mais frequência com o envelhecimento - 30% das idosas e 15% dos idosos apresentam a condição - esta não é uma consequência inevitável do avanço da idade. Se a incontinência urinária afetar suas atividades diárias, não hesite em consultar o seu médico. Para a maioria das pessoas, algumas mudanças simples no estilo de vida ou um tratamento médico podem aliviar o desconforto ou interromper o problema.

Quais são os tipos de incontinência urinária?

Muitas pessoas apresentam pequenas perdas ocasionais de urina. Outros podem ter escapes leves a moderados com mais frequência. Conheça agora os tipos de incontinência urinária:

  • Incontinência de esforço: A urina escapa quando você pressiona a bexiga ao tossir, espirrar, rir, fazer exercícios ou levantar algo pesado.
  • Incontinência de urgência: Você sente uma necessidade repentina e intensa de urinar, seguida por um escape involuntário de urina. É preciso urinar durante o período de sono ou ocorrem escapes noturnos.
  • Incontinência de transbordamento: Você tem gotejamento frequente ou constante de urina porque a bexiga não esvazia completamente.
  • Incontinência funcional: Uma deterioração física ou mental, como o Alzheimer impede que você chegue a tempo ao banheiro.

É comum ter dois ou mais tipos de incontinência urinária (incontinência mista). Se sentir algum destes sintomas, entre em contato com o seu médico assim que possível.

Quais são as causas da incontinência urinária?

A incontinência urinária não é uma doença, mas sim um sintoma. Ela pode ser causada por certos hábitos diários, doenças ainda não diagnosticadas ou problemas físicos. Uma avaliação completa por seu médico pode ajudar a determinar o que está causando o problema.

Certos alimentos, bebidas e medicamentos podem atuar como diuréticos (estimulam a bexiga e aumentam o volume da urina), como álcool, cafeína, refrigerantes e água mineral com gás, adoçantes artificiais, chocolate, pimentas, alimentos ricos em especiarias, açúcar ou ácido, especialmente frutas cítricas, medicamentos para pressão arterial e para o coração, sedativos e relaxantes musculares ou grandes doses de vitamina C.

A incontinência urinária também pode ser causada por uma condição temporária ou facilmente tratável:

  • Infecção urinária: As infecções podem irritar a bexiga, causar uma forte vontade de urinar e, às vezes, incontinência.
  • Prisão de ventre: O reto está localizado próximo à bexiga e compartilha muitos nervos. Fezes duras e compactas no reto fazem com que esses nervos se tornem excessivamente ativos, o que aumenta a frequência urinária.
  • Gravidez: conforme o feto cresce, o útero passa a pressionar a bexiga e a vontade de urinar se torna mais frequente, podendo haver escapes. A condição geralmente desaparece após o parto. Porém, em caso de cistocele, conhecida como bexiga caída, o médico pode receitar o hormônio estrogênio ou indicar um procedimento cirúrgico para a inserção de um anel flexível que apoia a bexiga. Os sintomas da bexiga caída incluem sensação de pressão na pélvis e na vagina, desconforto ao se esforçar e sensação de que a bexiga não foi totalmente esvaziada depois de urinar.

Por outro lado, mudanças fisiológicas podem requerer acompanhamento médico e tratamento mais detalhados. Por exemplo, devido à idade, a contração do músculo da bexiga se torna mais difícil e a capacidade de armazenar urina diminui.

Nos homens, a prevalência de incontinência varia de 3% a 11% no geral, e a incontinência de urgência representa entre 40% e 80% de todos os casos nos pacientes do sexo masculino. Este tipo de incontinência urinária geralmente ocorre por causa de um aumento da próstata, uma condição conhecida como hiperplasia prostática benigna.

O câncer de próstata também causa incontinência quando não tratado, por causa do aumento da glândula, e os pacientes em tratamento podem sofrer com esta condição como efeito colateral dos medicamentos.

Além disso, tumores em qualquer parte do trato urinário podem obstruir o fluxo normal de urina e levar à incontinência por transbordamento, bem como cálculos urinários (pedras na bexiga).

Problemas neurológicos como esclerose múltipla,Parkinson, acidentes vasculares cerebrais (AVC), tumores cerebrais ou lesões da medula podem interferir nos sinais nervosos envolvidos no controle da bexiga e causar incontinência urinária.

Artigos
Relacionados

Pacientes com HPB experimentam o melhor alívio de sintomas da categoria com a Terapia Rezūm, mostra o estudo mais recente

Saúde Urológica

Pacientes com HPB experimentam o melhor alívio de sintomas da categoria com a Terapia Rezūm, mostra o estudo mais recente

Então, você está pronto para dar o próximo passo para tratar sua hiperplasia prostática benigna. Esse é o termo médico para HPB, ou próstata aumentada. Talvez seus medicamentos não estejam mais funcionando. Ou talvez seus sintomas o deixem acordado a noite toda indo ao banheiro. Pode ser hora de começar a olhar para suas opções!

Medicamentos para HBP podem não funcionar

Primeiro, você deve saber que a HBP é muito comum em homens. Na verdade, afeta metade de todos os homens aos 60 anos. E afeta até 90% dos homens com 85 anos1. Medicamentos para tratar a HBP podem não funcionar para muitos. Ou muitos homens não gostam dos efeitos colaterais.2 E alguns procedimentos tratam apenas os sintomas, não a HBP. Isso deixa muitos homens à procura de tratamentos alternativos para o aumento da próstata.

Terapia com Vapor de Água Rezūm Encolhe a Próstata

A Terapia de Vapor de Água Rezūm é um tratamento de HBP que pode ser feito no consultório do seu médico. Ele usa vapor de água, para encolher a próstata aumentada.3,4 Encolher a próstata pode aliviar seus sintomas. Mas quanto tempo dura?

Ensaio clínico analisou quanto tempo os resultados da Terapia Rezūm duram em pacientes com HBP até cinco anos. O ensaio mostrou que a Terapia Rezūm aliviou significativamente seus sintomas.5 Também mostrou que os resultados do tratamento da próstata aumentada duraram cinco anos para a maioria dos pacientes. Em terceiro lugar, o ensaio mostrou que a Terapia Rezūm melhorou sua qualidade de vida geral.

Após o procedimento Rezūm, alguns dos seguintes efeitos colaterais de curto prazo podem ocorrer: micção dolorosa, sangue na urina, sangue no sêmen, micção frequente, incapacidade de urinar ou esvaziar completamente a bexiga e necessidade de cateterismo de curto prazo. A maioria dos eventos normalmente se resolve dentro de uma a três semanas após o procedimento, mas há uma possibilidade de alguns desses efeitos continuarem por longos períodos.

Sobre Ensaios Clínicos

Os ensaios clínicos são importantes na área da saúde. Eles nos ajudam a descobrir se as novas terapias são seguras e eficazes. Muitas vezes, um ensaio clínico nos ajuda a aprender se um novo tratamento é mais eficaz e/ou tem menos efeitos colaterais do que outro tratamento.6

A maioria dos médicos confia nos resultados dos ensaios clínicos e em artigos em periódicos revisados por pares para avaliar as opções de tratamento e garantir que eles mantenham os padrões de qualidade para seus pacientes.

Kevin McVary, MD, urologista e investigador principal do ensaio clínico Rezūm Therapy II

Testemunho de um urologista

Um urologista de renome mundial, Dr. Kevin McVary, é referencia em tratamentos de HBP e o principal investigador do ensaio clínico Rezūm. Ele usa a Terapia Rezūm em sua prática, e recentemente tratou um paciente que também era médico.

O médico tinha sintomas graves de HPB e estava buscando tratamento para o aumento da próstata. Os medicamentos não estavam funcionando para ele. “Ele realizou a Terapia Rezūm e voltou ao trabalho em seu movimentado consultório”. Ele estava cuidando de seus próprios pacientes no centro cirúrgico depois de um fim de semana”, disse McVary. “Ele também conseguiu parar de tomar todos os seus medicamentos para HBP. Este foi um bom resultado e mostrou a rápida recuperação encontrada com a Terapia Rezūm neste paciente.” *Os resultados individuais podem e variam.

Para Mais Informações

É importante notar que nem todos os pacientes são iguais. Os planos de tratamento devem ser discutidos com seu próprio médico. Para mais informações ou para descobrir se a Terapia Rezūm é ideal para você, use este guia de discussão guia de discussão em sua próxima consulta com seu médico ou encontre um médico perto de você.

1Harvard Health Publishing. O problema crescente de uma próstata aumentada. https://www.health.harvard.edu/mens-health/the-growing-problem-of-an-enlarged-prostate-gland

2 Dados arquivados com a Boston Scientific.

3 McVary KT, Rogers T, Roehrborn CG. Terapia térmica com vapor de água Rezūm para sintomas do trato urinário inferior associados à hiperplasia prostática benigna: resultados de 4 anos de estudo controlado randomizado. Urologia. 2019 abr.; 126:171-9.

4 McVary KT, Gange SN, Gittelman MC, et al. Ablação de energia convectiva de vapor de água da próstata minimamente invasiva: Um estudo multicêntrico, randomizado e controlado para o tratamento de sintomas do trato urinário inferior secundários à hiperplasia prostática benigna. J Urol. 2016 maio;195(5):1529-38.

5 McVary KT, Roehrborn C. Resultados de cinco anos do ensaio clínico prospectivo e randomizado de terapia térmica com vapor de água para tratamento de sintomas do trato urinário inferior devido à hiperplasia prostática benigna. Resumo de Quebra Tardia. J Urol. 2020 Abr;203(4):e1021.

6 Instituto Nacional de Envelhecimento; O que são Ensaios e Estudos Clínicos? https://www.nia.nih.gov/health/what-are-clinical-trials-and-studies.

Todos os tratamentos apresentam riscos inerentes e associados. O Sistema Rezūm oferece alívio de sintomas e obstruções, além de reduzir o tecido da próstata associado à HPB. É indicado para homens com 50 anos ou mais e com um volume da próstata entre 30 e 80 cm3. O Sistema Rezūm também é indicado para o tratamento da próstata com hiperplasia da zona central e/ou lobo médio. Os riscos potenciais incluem, sem limitação, micção dolorosa (disúria), sangue na urina (hematúria), sangue no sêmen (hematospermia), diminuição do volume ejaculatório, suspeita de infecção do trato urinário (ITU) e aumento da frequência, retenção ou urgência urinária. Antes de prosseguir com qualquer opção de tratamento, é importante conversar com seu médico sobre os benefícios e riscos.

CUIDADO: A lei restringe a venda destes dispositivos a ser realizada por um médico ou mediante a prescrição de um médico. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas no rótulo do produto fornecido com cada dispositivo ou em www.IFU-BSCI.com. Os produtos apresentados apenas com fins INFORMATIVOS e podem não estar aprovados ou à venda em determinados países. Este material não é destinado ao uso na França. Este material é apenas para fins informativos e não se destina a diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz qualquer representação sobre os benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda enfaticamente que consulte o seu médico em todos os assuntos relacionados com a sua saúde. Copyright © 2023 Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

Kevin McVary, MD, é um consultor da Boston Scientific e foi compensado por sua contribuição para este artigo. Todas as imagens são de propriedade da Boston Scientific. Todas as marcas registradas são de propriedade de seus respectivos proprietários. Rezum.com é um site patrocinado pela Boston Scientific.

UROPH-1759108-AA DEZ 2023

Confira os benefícios das cirurgias e tratamentos com foco na saúde masculina

Saúde Urológica

Conheça as cirurgias e tratamentos com foco na saúde

Tecnologia de ponta e próteses maleáveis podem ser utilizadas por todas as idades e têm cirurgia coberta por planos de saúde

Associadas muitas vezes ao lado estético, as cirurgias íntimas masculinas podem ter um grande impacto em problemas como disfunção erétil e incontinência urinária. Mesmo ainda sendo um tabu, estes problemas não podem ser deixados de lado, por afetarem a saúde e a autoestima dos homens.

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), queixas relacionadas à ereção atingem 50% dos homens depois dos 40 anos (cerca de 16 milhões de brasileiros) e a incontinência urinária, 15% dos homens também acima de 40 anos.

Por conta desses problemas, os homens ficam impossibilitados de sustentar uma atividade sexual satisfatória, e podem ter escapes de urina durante a prática de esportes ou atividades corriqueiras. Dessa maneira, outras questões podem acometer estes pacientes, como falta de autoconfiança, ansiedade e depressão, que afetam não só sua qualidade de vida, mas também das pessoas com quem se relacionam.

“As cirurgias masculinas vão muito além da estética. Elas têm a intenção de fornecer maior conforto aos pacientes, bem como tratar a disfunção ou a incontinência, para que eles possam viver com mais tranquilidade e qualidade de vida”, aponta o Dr. Carlos Bautzer, urologista que atua no núcleo de Medicina Sexual do Hospital Sírio-Libanês e é médico-assistente da disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC).

Quer saber se disfunção erétil está afetando sua vida sexual? Faça nosso quiz, entenda melhor sua saúde sexual e descubra os tratamentos disponíveis.

Principais métodos

Tratamentos disponíveis

A indicação medicamentosa utiliza inibidores da fosfodiesterase-5 que devem ser tomados antes da relação sexual e/ou diariamente, a depender da indicação médica. Porém, esses medicamentos são contraindicados para pacientes com problemas cardíacos e de pressão arterial, entre outras condições.

“Quando o medicamento não funciona ou o paciente tem contraindicação, pode-se usar vasodilatadores injetados diretos no pênis”, explica o urologista. O principal risco do tratamento é usar uma dose grande que cause ereção prolongada demais – quando o pênis fica ereto por mais de quatro horas, situação chamada de priapismo, o sangue rico em oxigênio deixa de entrar e há formação de fibroses, o que, com o passar do tempo, pode agravar ainda mais a disfunção erétil.

Próteses penianas

Quando essas formas de terapia não obtêm resultado, os implantes penianos são considerados. Isso porque se trata de um método definitivo: as próteses podem ser substituídas, mas não removidas. As próteses penianas são estruturas implantadas para preencher os espaços que deveriam ser ocupados pelo sangue nos corpos cavernosos. Elas garantem a ereção e permitem que o usuário tenha relações sexuais sempre que desejar.

Prótese maleável

Composta por duas hastes de silicone que são inseridas nos corpos cavernosos do pênis. Desta forma, o pênis se mantém ereto. Esta prótese apresenta como diferencial a sensação tátil muito semelhante à de um pênis ereto, e garante mais conforto ao paciente, pois sugere maior naturalidade.

Além disso, a maleabilidade permite que o paciente dobre e guarde o pênis após a relação sexual, sem nenhum incômodo. Por ser mais simples, é mais fácil de ser inserida cirurgicamente, o que garante uma recuperação mais rápida, de acordo com o médico.

Outras vantagens são o preço (custa de R$7 mil a 10 mil); a cobertura por planos de saúde e SUS (Sistema Único de Saúde). e a durabilidade (essa prótese tem mais de 15 anos de funcionamento).

Prótese inflável

Composta por dois cilindros infláveis que simulam a função peniana a partir de um mecanismo chamado de “pump”, inserido na bolsa escrotal que deve ser acionado para inflar o pênis antes da relação sexual e desinflar, após seu uso.

Segundo o urologista, ela é a preferida dos homens por trazer maior descrição, porém, por ser mais complexa, ela custa quase o dobro do preço da prótese maleável, chegando a R$20 mil e não tem cobertura pelos planos de saúde e nem pelo SUS. Sua duração gira em torno de 10 a 15 anos.

Agora que você se informou sobre: Confira os benefícios das cirurgias e tratamentos com foco na saúde masculina, aproveite e acesse demais conteúdos sobre Saúde Sexual

Saiba mais sobre o Saber da Saúde

O Saber da Saúde é uma iniciativa da Boston ScientificTM com o objetivo de disseminar conhecimento científico sobre saúde para o maior número de brasileiros possível.

A desinformação não pode ser um obstáculo para o acesso à saúde. Acreditamos que com informação confiável, pacientes e redes de apoio podem tomar decisões com mais agilidade, obtendo diagnósticos mais cedo e buscando tratamentos cada vez mais eficazes, oferecendo suporte mais adequado para as condições de cada paciente.

4 terapias minimamente invasivas para tratar o aumento da próstata

Saúde Urológica

4 terapias minimamente invasivas para tratar o aumento da próstata

Conheça as alternativas para a cirurgia aberta no tratamento da hiperplasia prostática benigna

Conhecida popularmente como “próstata aumentada”, a hiperplasia prostática benigna (HPB) é uma condição que pode causar desconforto e problemas como dificuldade para urinar, infecções e cálculos renais. Porém, isso não é motivo para pânico, já que há diversos tipos de tratamentos, incluindo os minimamente invasivos. 

Os exames de detecção precoce do câncer de próstata, como dosagem de PSA e toque retal, permitem identificar o surgimento da HPB, facilitando seu diagnóstico. O histórico familiar também deve ser levado em conta, bem como obesidade e condições crônicas, como diabetes e doenças cardíacas. 

A primeira abordagem de tratamento, e também a mais comum, é a medicamentosa. Envolve o uso de alfa-adrenérgicos, que relaxam músculos da próstata e da bexiga e melhoram o fluxo de urina. 

Porém, quando os medicamentos não provocam a resposta esperada ou causam efeitos adversos, pode ser o caso de uma cirurgia. “Próstata” e “cirurgia” são duas palavras que assombram o imaginário masculino quando aparecem na mesma frase, mas há técnicas minimamente invasivas que não apenas afastam consideravelmente os riscos de impotência sexual ou incontinência urinária, como também devolvem ao paciente sua qualidade de vida. 

Na verdade, essas técnicas podem até mesmo trazer benefícios à vida sexual, já que um estudo recente demonstrou que 86% dos homens que passam pelo procedimento relatam satisfação sexual igual ou melhorada após procedimentos do tipo.

Conheça agora as principais técnicas minimamente invasivas para tratamento da hiperplasia prostática benigna:

Terapia a laser

É uma das técnicas mais eficazes. “Ela pode ser aplicada em virtualmente todos os pacientes que têm indicação de tratamento cirúrgico da hiperplasia prostática, desde que tenham condições de saúde que permitam que sejam anestesiados”, explica o urologista Daniel de Morais Perpetuo, Chefe do Setor de Cirurgia Minimamente Invasiva do Hospital Federal dos Servidores do Estado – RJ.

O procedimento é relativamente simples:  o laser aquece e vaporiza rapidamente o tecido que bloqueia a próstata, restaurando o fluxo natural de urina sem efeitos adversos. O paciente geralmente volta para casa no mesmo dia em que o procedimento é realizado. Em poucos casos, é recomendada a internação por uma noite. “Como é uma cirurgia com controle muito eficaz do sangramento, pode inclusive ser feita em pacientes que usam anticoagulantes ou com distúrbios de coagulação”, afirma o urologista.

Enucleação prostática

Indicada quando o volume prostático do paciente é elevado. Em alguns casos, pode até mesmo substituir a indicação por uma cirurgia aberta, mas é realizada apenas em centros especializados.

A enucleação se vale de um aparelho de endoscopia que passa pela uretra e atinge a próstata e a bexiga, usando um laser pulsátil para cortar, vaporizar e coagular os tecidos durante a cirurgia. 

Cirurgia laparoscópica assistida por robótica

O cirurgião opera um robô que permite a visualização dos órgãos em 3D, dando a ele mais precisão e permitindo movimentos mais delicados. São feitos de 3 a 5 cortes de cerca de 0,5cm na região abdominal, por onde são inseridas uma câmera extremamente fina e delicadas pinças cirúrgicas.

As incisões, reconstruções e resseções são feitas pelo cirurgião, que comanda o robô em uma sala separada. É uma técnica com várias salvaguardas e mecanismos de proteção, inclusive contra eventual erro humano, e que oferece um tratamento bastante seguro da HPB.

Terapias ambulatoriais

“As chamadas terapias ambulatoriais têm esse nome por não demandarem  internação e, diferentemente da terapia a laser, não há retirada do tecido prostático”, explica o especialista. Essas terapias ainda estão sob avaliação de durabilidade e da necessidade de realizar um re-tratamento após alguns anos, mas já são oferecidas em alguns centros em caráter experimental.

Entre as terapias do tipo, Perpetuo destaca o Urolift (uma espécie de “grampeamento” da próstata, por meio de pequenos implantes que levantam e fixam a glândula longe da passagem da urina), o Rezum (que injeta vapor em distintos pontos da próstata para reduzir seu tamanho) e o iTind (que insere temporariamente um remodelador prostático no canal da uretra para abrir o canal da próstata).

 

ALERTA: A lei restringe a venda desses dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. Indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na rotulagem do produto fornecida com cada dispositivo ou em www.IFU-BSCI.com. Os produtos mostrados apenas para fins de INFORMAÇÃO e podem não ser aprovados ou vendidos em determinados países. Este material não se destina ao uso na França. 2023 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados. 

- ALERTA 2: Os resultados de estudos de caso não são necessariamente preditivos de resultados em outros casos. Os resultados em outros casos podem variar.

Este material é apenas para fins informativos e não se destina a diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda enfaticamente que você consulte seu médico sobre todos os assuntos relacionados à sua saúde.

URO –1531704 – Saber da Saúde - AA

Novembro Azul: 4 fatores de risco para o câncer de próstata

Saúde Urológica

Novembro Azul: 4 fatores de risco para o câncer de próstata

Doença ainda é cercada por tabus, mas acompanhamento periódico e diagnóstico precoce salvam vidas

O câncer de próstata é o tipo mais frequente em homens no Brasil, depois do câncer de pele. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), 65.840 novos casos de câncer de próstata são diagnosticados por ano no país, valor correspondente a 62,95 casos novos a cada 100 mil homens. Ainda segundo o INCA, um em cada nove homens receberá o diagnóstico da doença ao longo da vida. 

Mais do que outros tipos, esse é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de 75%¹ dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. Apesar dos riscos serem aumentados com o avançar da idade, é essencial que homens a partir dos 40 anos conversem com o urologista e façam exames periódicos para que seja possível uma identificação precoce de qualquer alteração na saúde da próstata.

O urologista Carlos Sacomani alerta para outros fatores de risco para a doença, que devem ser tratados com cautela e acompanhados de perto pelo médico de confiança:

  1. Idade: No Brasil, a cada dez homens diagnosticados com câncer de próstata, nove têm mais de 55 anos;
  2. Histórico familiar: É preciso estar atento para casos de membros da família que tiveram a doença antes dos 60 anos;
  3. Sobrepeso e obesidade: Estudos recentes mostram maior risco de câncer de próstata em homens com peso corporal elevado;
  4. Pele negra: De acordo com estudo realizado nos Estados Unidos, em 2020, e publicado no Jama Network, homens negros têm maior incidência de câncer de próstata. O número de afro-americanos que tiveram progressão da doença foi 11% maior do que o de homens brancos que também lidaram com esse problema, durante um período de sete anos. 

Na fase inicial, o câncer de próstata pode não apresentar sintomas e, quando apresenta, os mais comuns são dificuldade de urinar, sangue na urina, diminuição do jato de urina, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite. 

Sacomani explica, ainda, que uma vez que haja suspeita da doença por meio do exame de PSA e do toque retal, o paciente deve passar por outros exames que confirmem o diagnóstico, incluindo ressonância magnética e biópsia. "Caso seja confirmado o câncer, a cirurgia robótica é a principal opção de tratamento, sendo feita a retirada da próstata. A recuperação costuma ser rápida e a grande maioria dos pacientes vai viver normalmente, só deixam de ejacular".

O urologista destaca também que, assim como outras cirurgias, existem riscos - mas estes podem ser tratados e controlados. "Mesmo com cirurgia robótica, temos índices que não são desprezíveis, como a disfunção erétil de 20 a 60% dos casos, e a incontinência urinária² em 5 a 10% dos pacientes³, mas tudo depende do histórico e da saúde de cada um". No caso de incontinência, é possível fazer um implante de esfíncter artificial e, para os pacientes com disfunção erétil, há a possibilidade de tratamento medicamentoso ou até a implantação de uma prótese peniana.

Tabu e conscientização

O preconceito, o machismo e o tabu que circundam os cuidados com a saúde do homem são os principais inimigos do diagnóstico precoce e do tratamento do câncer de próstata. 

Para Sacomani, esse cenário tem mudado, incentivado principalmente por campanhas como o Novembro Azul. "Há cada vez mais conscientização sobre o autocuidado, os homens estão mais preocupados com a própria saúde e esses medos já não têm a mesma força de antigamente. Dessa forma, a maioria dos casos de câncer de próstata são curados."

Mais do que isso, embora não exista uma forma de prevenir o câncer, práticas saudáveis como ter uma boa alimentação, praticar exercícios físicos, não fumar, manter o peso corporal adequado e evitar o consumo de bebidas alcoólicas ajudam a diminuir os riscos da doença.

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2022 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde
URO – 1450805 – AA – Saber da Saúde

_________________________________

¹ ESTIMATIVAS 2020 – Incidência de câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro: INCA, 2019. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf. Acesso em: 21 out. 2022.

² Milsom & M. Gyhagen (2019) The prevalence of urinary incontinence, Climacteric, 22:3, 217-222, DOI: 10.1080/13697137.2018.1543263 https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13697137.2018.1543263#:~:text=Population%2Dbased%20studies%20have%20reported,incontinence%20and%20bladder%20outlet%20obstruction.

³CÂNCER de próstata. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Ministério da Saúde. Disponível em: https://www.gov.br/inca/pt-br/assuntos/cancer/tipos/prostata. Acesso em: 21 out. 2022.

Quais são os fatores que aumentam o risco de incontinência urinária?

Conforme você envelhece, os músculos da bexiga e da uretra perdem força. Além disso, mulheres têm uma probabilidade maior de sofrer incontinência de esforço. Entretanto, os homens com problemas de próstata apresentam alto risco de incontinência de urgência e transbordamento.

Histórico familiar, especialmente de incontinência de urgência, e doenças neurológicas ou diabetes também aumentam seu risco.

Dois fatores que podem ser mudados e reduzir seu risco de desenvolver a condição são o controle do peso, já que o sobrepeso e a obesidade aumentam a pressão sobre a bexiga e enfraquecem os músculos ao redor, e parar de fumar, porque o tabaco tem componentes que irritam a bexiga.

Como diminuir o risco de incontinência urinária?

A incontinência urinária nem sempre pode ser prevenida, mas algumas mudanças de comportamento podem ajudar a reduzir seus riscos:

  • Mantenha um peso saudável
  • Pratique exercícios para o assoalho pélvico
  • Evite alimentos que irritam a bexiga, como cafeína, álcool e comidas e bebidas ácidas.
  • Coma mais fibras, o que pode prevenir a constipação, uma das causas da incontinência urinária.
  • Não fume ou procure ajuda para parar de fumar.

Quais são os tratamentos para incontinência urinária?

O tratamento da incontinência urinária depende do tipo, da gravidade e de uma causa geralmente pré-existente, ainda que não diagnosticada. Pode ser necessário fazer uma combinação de tratamentos, partindo dos menos invasivos aos mais complexos, caso os primeiros não apresentem os resultados esperados. Se uma doença pré-existente estiver causando os sintomas, o médico tratará essa doença primeiro.

Muitas pessoas apresentam pequenas perdas ocasionais de urina. Outros podem ter escapes leves a moderados com mais frequência. Conheça agora os tipos de incontinência urinária:

  • Incontinência de esforço: A urina escapa quando você pressiona a bexiga ao tossir, espirrar, rir, fazer exercícios ou levantar algo pesado.
  • Incontinência de urgência: Você sente uma necessidade repentina e intensa de urinar, seguida por um escape involuntário de urina. É preciso urinar durante o período de sono ou ocorrem escapes noturnos.
  • Incontinência de transbordamento: Você tem gotejamento frequente ou constante de urina porque a bexiga não esvazia completamente.
  • Incontinência funcional: Uma deterioração física ou mental, como o Alzheimer impede que você chegue a tempo ao banheiro.

É comum ter dois ou mais tipos de incontinência urinária (incontinência mista). Se sentir algum destes sintomas, entre em contato com o seu médico assim que possível.

A incontinência urinária não é uma doença, mas sim um sintoma. Ela pode ser causada por certos hábitos diários, doenças ainda não diagnosticadas ou problemas físicos. Uma avaliação completa por seu médico pode ajudar a determinar o que está causando o problema.

Certos alimentos, bebidas e medicamentos podem atuar como diuréticos (estimulam a bexiga e aumentam o volume da urina), como álcool, cafeína, refrigerantes e água mineral com gás, adoçantes artificiais, chocolate, pimentas, alimentos ricos em especiarias, açúcar ou ácido, especialmente frutas cítricas, medicamentos para pressão arterial e para o coração, sedativos e relaxantes musculares ou grandes doses de vitamina C.

A incontinência urinária também pode ser causada por uma condição temporária ou facilmente tratável:

  • Infecção urinária: As infecções podem irritar a bexiga, causar uma forte vontade de urinar e, às vezes, incontinência.
  • Prisão de ventre: O reto está localizado próximo à bexiga e compartilha muitos nervos. Fezes duras e compactas no reto fazem com que esses nervos se tornem excessivamente ativos, o que aumenta a frequência urinária.
  • Gravidez: conforme o feto cresce, o útero passa a pressionar a bexiga e a vontade de urinar se torna mais frequente, podendo haver escapes. A condição geralmente desaparece após o parto. Porém, em caso de cistocele, conhecida como bexiga caída, o médico pode receitar o hormônio estrogênio ou indicar um procedimento cirúrgico para a inserção de um anel flexível que apoia a bexiga. Os sintomas da bexiga caída incluem sensação de pressão na pélvis e na vagina, desconforto ao se esforçar e sensação de que a bexiga não foi totalmente esvaziada depois de urinar.

Por outro lado, mudanças fisiológicas podem requerer acompanhamento médico e tratamento mais detalhados. Por exemplo, devido à idade, a contração do músculo da bexiga se torna mais difícil e a capacidade de armazenar urina diminui.

Nos homens, a prevalência de incontinência varia de 3% a 11% no geral, e a incontinência de urgência representa entre 40% e 80% de todos os casos nos pacientes do sexo masculino. Este tipo de incontinência urinária geralmente ocorre por causa de um aumento da próstata, uma condição conhecida como hiperplasia prostática benigna.

O câncer de próstata também causa incontinência quando não tratado, por causa do aumento da glândula, e os pacientes em tratamento podem sofrer com esta condição como efeito colateral dos medicamentos.

Além disso, tumores em qualquer parte do trato urinário podem obstruir o fluxo normal de urina e levar à incontinência por transbordamento, bem como cálculos urinários (pedras na bexiga).

Problemas neurológicos como esclerose múltipla,Parkinson, acidentes vasculares cerebrais (AVC), tumores cerebrais ou lesões da medula podem interferir nos sinais nervosos envolvidos no controle da bexiga e causar incontinência urinária.

Conforme você envelhece, os músculos da bexiga e da uretra perdem força. Além disso, mulheres têm uma probabilidade maior de sofrer incontinência de esforço. Entretanto, os homens com problemas de próstata apresentam alto risco de incontinência de urgência e transbordamento.

Histórico familiar, especialmente de incontinência de urgência, e doenças neurológicas ou diabetes também aumentam seu risco.

Dois fatores que podem ser mudados e reduzir seu risco de desenvolver a condição são o controle do peso, já que o sobrepeso e a obesidade aumentam a pressão sobre a bexiga e enfraquecem os músculos ao redor, e parar de fumar, porque o tabaco tem componentes que irritam a bexiga.

A incontinência urinária nem sempre pode ser prevenida, mas algumas mudanças de comportamento podem ajudar a reduzir seus riscos:

  • Mantenha um peso saudável
  • Pratique exercícios para o assoalho pélvico
  • Evite alimentos que irritam a bexiga, como cafeína, álcool e comidas e bebidas ácidas.
  • Coma mais fibras, o que pode prevenir a constipação, uma das causas da incontinência urinária.
  • Não fume ou procure ajuda para parar de fumar.

O tratamento da incontinência urinária depende do tipo, da gravidade e de uma causa geralmente pré-existente, ainda que não diagnosticada. Pode ser necessário fazer uma combinação de tratamentos, partindo dos menos invasivos aos mais complexos, caso os primeiros não apresentem os resultados esperados. Se uma doença pré-existente estiver causando os sintomas, o médico tratará essa doença primeiro.

Exercícios para fortalecer os músculos do assoalho pélvico: Conhecidos como exercícios de Kegel, os movimentos que fortalecem o assoalho pélvico podem aumentar seu controle sobre a micção. Eles são especialmente eficazes no tratamento da incontinência de esforço. Para as mulheres, o uso de pessários, dispositivos de silicone colocados na vagina, podem ajudar a elevar a bexiga e evitar os escapes de urina.

Medicamentos: Seu médico pode receitar medicamentos anticolinérgicos, para tratar a bexiga hiperativa, já que relaxa o músculo detrusor, responsável pela expulsão da urina do órgão, ou bloqueadores alfa, que ajudam a aumentar o fluxo urinário e reduzir o volume residual após urinar.

Cirurgia: Se outros tratamentos não funcionarem, existem vários procedimentos cirúrgicos que podem tratar os problemas causados pela incontinência urinária.

Nos homens, duas opções cirúrgicas ajudam a controlar a incontinência.

Esfíncter urinário artificial: Um dispositivo composto de um pequeno anel cheio de líquido é implantado ao redor do colo da bexiga e uma válvula é implantada sob a pele do escroto. Ao ser pressionada, faz com que o anel esvazie e permita que a urina flua para fora da bexiga. As mulheres contam com diversas alternativas cirúrgicas, como: Sling feminino - Por via vaginal, uma fita de polipropileno é inserida abaixo da uretra, se integra aos tecidos do corpo e aumenta a resistência do órgão, de maneira a evitar os escapes.

Suspensões do colo vesical: cirurgia que ajuda a colocar uma bexiga flácida de volta à sua posição normal

Procedimento de Marshall Marchetti Krantz (MMK): cirurgia em que o tecido ao redor da uretra é levantado e costurado no osso na parte frontal da pelve e no tecido atrás da parede abdominal.

Cirurgia de Burch: cirurgia que eleva o colo da bexiga aos ligamentos fortes nos ossos pélvicos usando suturas.

Estimulação do nervo sacral: dispositivo semelhante ao marca-passo, em que um eletrodo de longa permanência é inserido por um pequeno corte na parte inferior das costas e um neuroestimulador é inserido sob a pele da nádega superior.

Diversas organizações podem ajudar você e seus familiares a entender e tratar a incontinência urinária. Além disso, preparamos uma série especial, no YouTube, para abordar essa condição. Assista e leia mais sobre isso.

Exercícios para fortalecer os músculos do assoalho pélvico: Conhecidos como exercícios de Kegel, os movimentos que fortalecem o assoalho pélvico podem aumentar seu controle sobre a micção. Eles são especialmente eficazes no tratamento da incontinência de esforço. Para as mulheres, o uso de pessários, dispositivos de silicone colocados na vagina, podem ajudar a elevar a bexiga e evitar os escapes de urina.

Medicamentos: Seu médico pode receitar medicamentos anticolinérgicos, para tratar a bexiga hiperativa, já que relaxa o músculo detrusor, responsável pela expulsão da urina do órgão, ou bloqueadores alfa, que ajudam a aumentar o fluxo urinário e reduzir o volume residual após urinar.

Cirurgia: Se outros tratamentos não funcionarem, existem vários procedimentos cirúrgicos que podem tratar os problemas causados pela incontinência urinária.

Nos homens, duas opções cirúrgicas ajudam a controlar a incontinência.

Esfíncter urinário artificial: Um dispositivo composto de um pequeno anel cheio de líquido é implantado ao redor do colo da bexiga e uma válvula é implantada sob a pele do escroto. Ao ser pressionada, faz com que o anel esvazie e permita que a urina flua para fora da bexiga. As mulheres contam com diversas alternativas cirúrgicas, como: Sling feminino - Por via vaginal, uma fita de polipropileno é inserida abaixo da uretra, se integra aos tecidos do corpo e aumenta a resistência do órgão, de maneira a evitar os escapes.

Suspensões do colo vesical: cirurgia que ajuda a colocar uma bexiga flácida de volta à sua posição normal

Procedimento de Marshall Marchetti Krantz (MMK): cirurgia em que o tecido ao redor da uretra é levantado e costurado no osso na parte frontal da pelve e no tecido atrás da parede abdominal.

Cirurgia de Burch: cirurgia que eleva o colo da bexiga aos ligamentos fortes nos ossos pélvicos usando suturas.

Estimulação do nervo sacral: dispositivo semelhante ao marca-passo, em que um eletrodo de longa permanência é inserido por um pequeno corte na parte inferior das costas e um neuroestimulador é inserido sob a pele da nádega superior.

Onde posso saber mais sobre incontinência urinária?

Diversas organizações podem ajudar você e seus familiares a entender e tratar a incontinência urinária. Além disso, preparamos uma série especial, no YouTube, para abordar essa condição. Assista e leia mais sobre isso.

Artigos Relacionados

Pacientes com HPB experimentam o melhor alívio de sintomas da categoria com a Terapia Rezūm, mostra o estudo mais recente

Saúde Urológica

Pacientes com HPB experimentam o melhor alívio de sintomas da categoria com a Terapia Rezūm, mostra o estudo mais recente

Então, você está pronto para dar o próximo passo para tratar sua hiperplasia prostática benigna. Esse é o termo médico para HPB, ou próstata aumentada. Talvez seus medicamentos não estejam mais funcionando. Ou talvez seus sintomas o deixem acordado a noite toda indo ao banheiro. Pode ser hora de começar a olhar para suas opções!

Medicamentos para HBP podem não funcionar

Primeiro, você deve saber que a HBP é muito comum em homens. Na verdade, afeta metade de todos os homens aos 60 anos. E afeta até 90% dos homens com 85 anos1. Medicamentos para tratar a HBP podem não funcionar para muitos. Ou muitos homens não gostam dos efeitos colaterais.2 E alguns procedimentos tratam apenas os sintomas, não a HBP. Isso deixa muitos homens à procura de tratamentos alternativos para o aumento da próstata.

Terapia com Vapor de Água Rezūm Encolhe a Próstata

A Terapia de Vapor de Água Rezūm é um tratamento de HBP que pode ser feito no consultório do seu médico. Ele usa vapor de água, para encolher a próstata aumentada.3,4 Encolher a próstata pode aliviar seus sintomas. Mas quanto tempo dura?

Ensaio clínico analisou quanto tempo os resultados da Terapia Rezūm duram em pacientes com HBP até cinco anos. O ensaio mostrou que a Terapia Rezūm aliviou significativamente seus sintomas.5 Também mostrou que os resultados do tratamento da próstata aumentada duraram cinco anos para a maioria dos pacientes. Em terceiro lugar, o ensaio mostrou que a Terapia Rezūm melhorou sua qualidade de vida geral.

Após o procedimento Rezūm, alguns dos seguintes efeitos colaterais de curto prazo podem ocorrer: micção dolorosa, sangue na urina, sangue no sêmen, micção frequente, incapacidade de urinar ou esvaziar completamente a bexiga e necessidade de cateterismo de curto prazo. A maioria dos eventos normalmente se resolve dentro de uma a três semanas após o procedimento, mas há uma possibilidade de alguns desses efeitos continuarem por longos períodos.

Sobre Ensaios Clínicos

Os ensaios clínicos são importantes na área da saúde. Eles nos ajudam a descobrir se as novas terapias são seguras e eficazes. Muitas vezes, um ensaio clínico nos ajuda a aprender se um novo tratamento é mais eficaz e/ou tem menos efeitos colaterais do que outro tratamento.6

A maioria dos médicos confia nos resultados dos ensaios clínicos e em artigos em periódicos revisados por pares para avaliar as opções de tratamento e garantir que eles mantenham os padrões de qualidade para seus pacientes.

Kevin McVary, MD, urologista e investigador principal do ensaio clínico Rezūm Therapy II

Testemunho de um urologista

Um urologista de renome mundial, Dr. Kevin McVary, é referencia em tratamentos de HBP e o principal investigador do ensaio clínico Rezūm. Ele usa a Terapia Rezūm em sua prática, e recentemente tratou um paciente que também era médico.

O médico tinha sintomas graves de HPB e estava buscando tratamento para o aumento da próstata. Os medicamentos não estavam funcionando para ele. “Ele realizou a Terapia Rezūm e voltou ao trabalho em seu movimentado consultório”. Ele estava cuidando de seus próprios pacientes no centro cirúrgico depois de um fim de semana”, disse McVary. “Ele também conseguiu parar de tomar todos os seus medicamentos para HBP. Este foi um bom resultado e mostrou a rápida recuperação encontrada com a Terapia Rezūm neste paciente.” *Os resultados individuais podem e variam.

Para Mais Informações

É importante notar que nem todos os pacientes são iguais. Os planos de tratamento devem ser discutidos com seu próprio médico. Para mais informações ou para descobrir se a Terapia Rezūm é ideal para você, use este guia de discussão guia de discussão em sua próxima consulta com seu médico ou encontre um médico perto de você.

1Harvard Health Publishing. O problema crescente de uma próstata aumentada. https://www.health.harvard.edu/mens-health/the-growing-problem-of-an-enlarged-prostate-gland

2 Dados arquivados com a Boston Scientific.

3 McVary KT, Rogers T, Roehrborn CG. Terapia térmica com vapor de água Rezūm para sintomas do trato urinário inferior associados à hiperplasia prostática benigna: resultados de 4 anos de estudo controlado randomizado. Urologia. 2019 abr.; 126:171-9.

4 McVary KT, Gange SN, Gittelman MC, et al. Ablação de energia convectiva de vapor de água da próstata minimamente invasiva: Um estudo multicêntrico, randomizado e controlado para o tratamento de sintomas do trato urinário inferior secundários à hiperplasia prostática benigna. J Urol. 2016 maio;195(5):1529-38.

5 McVary KT, Roehrborn C. Resultados de cinco anos do ensaio clínico prospectivo e randomizado de terapia térmica com vapor de água para tratamento de sintomas do trato urinário inferior devido à hiperplasia prostática benigna. Resumo de Quebra Tardia. J Urol. 2020 Abr;203(4):e1021.

6 Instituto Nacional de Envelhecimento; O que são Ensaios e Estudos Clínicos? https://www.nia.nih.gov/health/what-are-clinical-trials-and-studies.

Todos os tratamentos apresentam riscos inerentes e associados. O Sistema Rezūm oferece alívio de sintomas e obstruções, além de reduzir o tecido da próstata associado à HPB. É indicado para homens com 50 anos ou mais e com um volume da próstata entre 30 e 80 cm3. O Sistema Rezūm também é indicado para o tratamento da próstata com hiperplasia da zona central e/ou lobo médio. Os riscos potenciais incluem, sem limitação, micção dolorosa (disúria), sangue na urina (hematúria), sangue no sêmen (hematospermia), diminuição do volume ejaculatório, suspeita de infecção do trato urinário (ITU) e aumento da frequência, retenção ou urgência urinária. Antes de prosseguir com qualquer opção de tratamento, é importante conversar com seu médico sobre os benefícios e riscos.

CUIDADO: A lei restringe a venda destes dispositivos a ser realizada por um médico ou mediante a prescrição de um médico. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas no rótulo do produto fornecido com cada dispositivo ou em www.IFU-BSCI.com. Os produtos apresentados apenas com fins INFORMATIVOS e podem não estar aprovados ou à venda em determinados países. Este material não é destinado ao uso na França. Este material é apenas para fins informativos e não se destina a diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz qualquer representação sobre os benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda enfaticamente que consulte o seu médico em todos os assuntos relacionados com a sua saúde. Copyright © 2023 Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

Kevin McVary, MD, é um consultor da Boston Scientific e foi compensado por sua contribuição para este artigo. Todas as imagens são de propriedade da Boston Scientific. Todas as marcas registradas são de propriedade de seus respectivos proprietários. Rezum.com é um site patrocinado pela Boston Scientific.

UROPH-1759108-AA DEZ 2023

Confira os benefícios das cirurgias e tratamentos com foco na saúde masculina

Saúde Urológica

Conheça as cirurgias e tratamentos com foco na saúde

Tecnologia de ponta e próteses maleáveis podem ser utilizadas por todas as idades e têm cirurgia coberta por planos de saúde

Associadas muitas vezes ao lado estético, as cirurgias íntimas masculinas podem ter um grande impacto em problemas como disfunção erétil e incontinência urinária. Mesmo ainda sendo um tabu, estes problemas não podem ser deixados de lado, por afetarem a saúde e a autoestima dos homens.

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), queixas relacionadas à ereção atingem 50% dos homens depois dos 40 anos (cerca de 16 milhões de brasileiros) e a incontinência urinária, 15% dos homens também acima de 40 anos.

Por conta desses problemas, os homens ficam impossibilitados de sustentar uma atividade sexual satisfatória, e podem ter escapes de urina durante a prática de esportes ou atividades corriqueiras. Dessa maneira, outras questões podem acometer estes pacientes, como falta de autoconfiança, ansiedade e depressão, que afetam não só sua qualidade de vida, mas também das pessoas com quem se relacionam.

“As cirurgias masculinas vão muito além da estética. Elas têm a intenção de fornecer maior conforto aos pacientes, bem como tratar a disfunção ou a incontinência, para que eles possam viver com mais tranquilidade e qualidade de vida”, aponta o Dr. Carlos Bautzer, urologista que atua no núcleo de Medicina Sexual do Hospital Sírio-Libanês e é médico-assistente da disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC).

Quer saber se disfunção erétil está afetando sua vida sexual? Faça nosso quiz, entenda melhor sua saúde sexual e descubra os tratamentos disponíveis.

Principais métodos

Tratamentos disponíveis

A indicação medicamentosa utiliza inibidores da fosfodiesterase-5 que devem ser tomados antes da relação sexual e/ou diariamente, a depender da indicação médica. Porém, esses medicamentos são contraindicados para pacientes com problemas cardíacos e de pressão arterial, entre outras condições.

“Quando o medicamento não funciona ou o paciente tem contraindicação, pode-se usar vasodilatadores injetados diretos no pênis”, explica o urologista. O principal risco do tratamento é usar uma dose grande que cause ereção prolongada demais – quando o pênis fica ereto por mais de quatro horas, situação chamada de priapismo, o sangue rico em oxigênio deixa de entrar e há formação de fibroses, o que, com o passar do tempo, pode agravar ainda mais a disfunção erétil.

Próteses penianas

Quando essas formas de terapia não obtêm resultado, os implantes penianos são considerados. Isso porque se trata de um método definitivo: as próteses podem ser substituídas, mas não removidas. As próteses penianas são estruturas implantadas para preencher os espaços que deveriam ser ocupados pelo sangue nos corpos cavernosos. Elas garantem a ereção e permitem que o usuário tenha relações sexuais sempre que desejar.

Prótese maleável

Composta por duas hastes de silicone que são inseridas nos corpos cavernosos do pênis. Desta forma, o pênis se mantém ereto. Esta prótese apresenta como diferencial a sensação tátil muito semelhante à de um pênis ereto, e garante mais conforto ao paciente, pois sugere maior naturalidade.

Além disso, a maleabilidade permite que o paciente dobre e guarde o pênis após a relação sexual, sem nenhum incômodo. Por ser mais simples, é mais fácil de ser inserida cirurgicamente, o que garante uma recuperação mais rápida, de acordo com o médico.

Outras vantagens são o preço (custa de R$7 mil a 10 mil); a cobertura por planos de saúde e SUS (Sistema Único de Saúde). e a durabilidade (essa prótese tem mais de 15 anos de funcionamento).

Prótese inflável

Composta por dois cilindros infláveis que simulam a função peniana a partir de um mecanismo chamado de “pump”, inserido na bolsa escrotal que deve ser acionado para inflar o pênis antes da relação sexual e desinflar, após seu uso.

Segundo o urologista, ela é a preferida dos homens por trazer maior descrição, porém, por ser mais complexa, ela custa quase o dobro do preço da prótese maleável, chegando a R$20 mil e não tem cobertura pelos planos de saúde e nem pelo SUS. Sua duração gira em torno de 10 a 15 anos.

Agora que você se informou sobre: Confira os benefícios das cirurgias e tratamentos com foco na saúde masculina, aproveite e acesse demais conteúdos sobre Saúde Sexual

Saiba mais sobre o Saber da Saúde

O Saber da Saúde é uma iniciativa da Boston ScientificTM com o objetivo de disseminar conhecimento científico sobre saúde para o maior número de brasileiros possível.

A desinformação não pode ser um obstáculo para o acesso à saúde. Acreditamos que com informação confiável, pacientes e redes de apoio podem tomar decisões com mais agilidade, obtendo diagnósticos mais cedo e buscando tratamentos cada vez mais eficazes, oferecendo suporte mais adequado para as condições de cada paciente.

4 terapias minimamente invasivas para tratar o aumento da próstata

Saúde Urológica

4 terapias minimamente invasivas para tratar o aumento da próstata

Conheça as alternativas para a cirurgia aberta no tratamento da hiperplasia prostática benigna

Conhecida popularmente como “próstata aumentada”, a hiperplasia prostática benigna (HPB) é uma condição que pode causar desconforto e problemas como dificuldade para urinar, infecções e cálculos renais. Porém, isso não é motivo para pânico, já que há diversos tipos de tratamentos, incluindo os minimamente invasivos. 

Os exames de detecção precoce do câncer de próstata, como dosagem de PSA e toque retal, permitem identificar o surgimento da HPB, facilitando seu diagnóstico. O histórico familiar também deve ser levado em conta, bem como obesidade e condições crônicas, como diabetes e doenças cardíacas. 

A primeira abordagem de tratamento, e também a mais comum, é a medicamentosa. Envolve o uso de alfa-adrenérgicos, que relaxam músculos da próstata e da bexiga e melhoram o fluxo de urina. 

Porém, quando os medicamentos não provocam a resposta esperada ou causam efeitos adversos, pode ser o caso de uma cirurgia. “Próstata” e “cirurgia” são duas palavras que assombram o imaginário masculino quando aparecem na mesma frase, mas há técnicas minimamente invasivas que não apenas afastam consideravelmente os riscos de impotência sexual ou incontinência urinária, como também devolvem ao paciente sua qualidade de vida. 

Na verdade, essas técnicas podem até mesmo trazer benefícios à vida sexual, já que um estudo recente demonstrou que 86% dos homens que passam pelo procedimento relatam satisfação sexual igual ou melhorada após procedimentos do tipo.

Conheça agora as principais técnicas minimamente invasivas para tratamento da hiperplasia prostática benigna:

Terapia a laser

É uma das técnicas mais eficazes. “Ela pode ser aplicada em virtualmente todos os pacientes que têm indicação de tratamento cirúrgico da hiperplasia prostática, desde que tenham condições de saúde que permitam que sejam anestesiados”, explica o urologista Daniel de Morais Perpetuo, Chefe do Setor de Cirurgia Minimamente Invasiva do Hospital Federal dos Servidores do Estado – RJ.

O procedimento é relativamente simples:  o laser aquece e vaporiza rapidamente o tecido que bloqueia a próstata, restaurando o fluxo natural de urina sem efeitos adversos. O paciente geralmente volta para casa no mesmo dia em que o procedimento é realizado. Em poucos casos, é recomendada a internação por uma noite. “Como é uma cirurgia com controle muito eficaz do sangramento, pode inclusive ser feita em pacientes que usam anticoagulantes ou com distúrbios de coagulação”, afirma o urologista.

Enucleação prostática

Indicada quando o volume prostático do paciente é elevado. Em alguns casos, pode até mesmo substituir a indicação por uma cirurgia aberta, mas é realizada apenas em centros especializados.

A enucleação se vale de um aparelho de endoscopia que passa pela uretra e atinge a próstata e a bexiga, usando um laser pulsátil para cortar, vaporizar e coagular os tecidos durante a cirurgia. 

Cirurgia laparoscópica assistida por robótica

O cirurgião opera um robô que permite a visualização dos órgãos em 3D, dando a ele mais precisão e permitindo movimentos mais delicados. São feitos de 3 a 5 cortes de cerca de 0,5cm na região abdominal, por onde são inseridas uma câmera extremamente fina e delicadas pinças cirúrgicas.

As incisões, reconstruções e resseções são feitas pelo cirurgião, que comanda o robô em uma sala separada. É uma técnica com várias salvaguardas e mecanismos de proteção, inclusive contra eventual erro humano, e que oferece um tratamento bastante seguro da HPB.

Terapias ambulatoriais

“As chamadas terapias ambulatoriais têm esse nome por não demandarem  internação e, diferentemente da terapia a laser, não há retirada do tecido prostático”, explica o especialista. Essas terapias ainda estão sob avaliação de durabilidade e da necessidade de realizar um re-tratamento após alguns anos, mas já são oferecidas em alguns centros em caráter experimental.

Entre as terapias do tipo, Perpetuo destaca o Urolift (uma espécie de “grampeamento” da próstata, por meio de pequenos implantes que levantam e fixam a glândula longe da passagem da urina), o Rezum (que injeta vapor em distintos pontos da próstata para reduzir seu tamanho) e o iTind (que insere temporariamente um remodelador prostático no canal da uretra para abrir o canal da próstata).

 

ALERTA: A lei restringe a venda desses dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. Indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na rotulagem do produto fornecida com cada dispositivo ou em www.IFU-BSCI.com. Os produtos mostrados apenas para fins de INFORMAÇÃO e podem não ser aprovados ou vendidos em determinados países. Este material não se destina ao uso na França. 2023 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados. 

- ALERTA 2: Os resultados de estudos de caso não são necessariamente preditivos de resultados em outros casos. Os resultados em outros casos podem variar.

Este material é apenas para fins informativos e não se destina a diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda enfaticamente que você consulte seu médico sobre todos os assuntos relacionados à sua saúde.

URO –1531704 – Saber da Saúde - AA

Novembro Azul: 4 fatores de risco para o câncer de próstata

Saúde Urológica

Novembro Azul: 4 fatores de risco para o câncer de próstata

Doença ainda é cercada por tabus, mas acompanhamento periódico e diagnóstico precoce salvam vidas

O câncer de próstata é o tipo mais frequente em homens no Brasil, depois do câncer de pele. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), 65.840 novos casos de câncer de próstata são diagnosticados por ano no país, valor correspondente a 62,95 casos novos a cada 100 mil homens. Ainda segundo o INCA, um em cada nove homens receberá o diagnóstico da doença ao longo da vida. 

Mais do que outros tipos, esse é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de 75%¹ dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. Apesar dos riscos serem aumentados com o avançar da idade, é essencial que homens a partir dos 40 anos conversem com o urologista e façam exames periódicos para que seja possível uma identificação precoce de qualquer alteração na saúde da próstata.

O urologista Carlos Sacomani alerta para outros fatores de risco para a doença, que devem ser tratados com cautela e acompanhados de perto pelo médico de confiança:

  1. Idade: No Brasil, a cada dez homens diagnosticados com câncer de próstata, nove têm mais de 55 anos;
  2. Histórico familiar: É preciso estar atento para casos de membros da família que tiveram a doença antes dos 60 anos;
  3. Sobrepeso e obesidade: Estudos recentes mostram maior risco de câncer de próstata em homens com peso corporal elevado;
  4. Pele negra: De acordo com estudo realizado nos Estados Unidos, em 2020, e publicado no Jama Network, homens negros têm maior incidência de câncer de próstata. O número de afro-americanos que tiveram progressão da doença foi 11% maior do que o de homens brancos que também lidaram com esse problema, durante um período de sete anos. 

Na fase inicial, o câncer de próstata pode não apresentar sintomas e, quando apresenta, os mais comuns são dificuldade de urinar, sangue na urina, diminuição do jato de urina, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite. 

Sacomani explica, ainda, que uma vez que haja suspeita da doença por meio do exame de PSA e do toque retal, o paciente deve passar por outros exames que confirmem o diagnóstico, incluindo ressonância magnética e biópsia. "Caso seja confirmado o câncer, a cirurgia robótica é a principal opção de tratamento, sendo feita a retirada da próstata. A recuperação costuma ser rápida e a grande maioria dos pacientes vai viver normalmente, só deixam de ejacular".

O urologista destaca também que, assim como outras cirurgias, existem riscos - mas estes podem ser tratados e controlados. "Mesmo com cirurgia robótica, temos índices que não são desprezíveis, como a disfunção erétil de 20 a 60% dos casos, e a incontinência urinária² em 5 a 10% dos pacientes³, mas tudo depende do histórico e da saúde de cada um". No caso de incontinência, é possível fazer um implante de esfíncter artificial e, para os pacientes com disfunção erétil, há a possibilidade de tratamento medicamentoso ou até a implantação de uma prótese peniana.

Tabu e conscientização

O preconceito, o machismo e o tabu que circundam os cuidados com a saúde do homem são os principais inimigos do diagnóstico precoce e do tratamento do câncer de próstata. 

Para Sacomani, esse cenário tem mudado, incentivado principalmente por campanhas como o Novembro Azul. "Há cada vez mais conscientização sobre o autocuidado, os homens estão mais preocupados com a própria saúde e esses medos já não têm a mesma força de antigamente. Dessa forma, a maioria dos casos de câncer de próstata são curados."

Mais do que isso, embora não exista uma forma de prevenir o câncer, práticas saudáveis como ter uma boa alimentação, praticar exercícios físicos, não fumar, manter o peso corporal adequado e evitar o consumo de bebidas alcoólicas ajudam a diminuir os riscos da doença.

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2022 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde
URO – 1450805 – AA – Saber da Saúde

_________________________________

¹ ESTIMATIVAS 2020 – Incidência de câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Rio de Janeiro: INCA, 2019. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf. Acesso em: 21 out. 2022.

² Milsom & M. Gyhagen (2019) The prevalence of urinary incontinence, Climacteric, 22:3, 217-222, DOI: 10.1080/13697137.2018.1543263 https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13697137.2018.1543263#:~:text=Population%2Dbased%20studies%20have%20reported,incontinence%20and%20bladder%20outlet%20obstruction.

³CÂNCER de próstata. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Ministério da Saúde. Disponível em: https://www.gov.br/inca/pt-br/assuntos/cancer/tipos/prostata. Acesso em: 21 out. 2022.

Cadastre-se e receba mais informações