Anticoagulantes Orais VS Tratamento Antiplaquetar

Coração

Anticoagulantes Orais ou Tratamento Antiplaquetar? Qual a melhor opção?

A Fibrilação Atrial (F.A.) é uma arritmia incomum no ritmo cardíaco que leva a formação de coágulos de sangue nos átrios do coração. Este coágulos podem ser transportados até o cérebro e causar um acidente vascular cerebral (AVC).

Existem diferentes medicamentos que reduzem a coagulação do sangue, como os Anticoagulantes Orais (Warfarina) e os Agentes Antiplaquetares (Aspirina). Estes fármacos ajudam a reduzir o risco de um acidente vascular cerebral (AVC).

Um estudo realizado nos Estados Unidos comprovou que os Anticoagulantes Orais reduzem três vezes mais o risco de sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) em pacientes com F.A. não valvular, em comparação com os Antiplaquetários que reduzem em 20% os Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC), oferecendo uma opção menos efetiva para tratar esta doença.

Por muitos anos, muitos pacientes diagnosticados com Fibrilação Atrial e com risco de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC) somente recebiam uma receita de Aspirina ao invés dos anticoagulantes recomendados. Mas, atualmente, já se descobriu que os benefícios do ácido acetilsalicílico ou AAS são bastante limitados para os pacientes que estão nesta condição. Apesar de que este medicamento ajude a prevenir que algumas moléculas do sangue chamadas de plaquetas se aglomerem e formem coágulos, ele não é um anticoagulante e não tem o mesmo efeito.

Segundo as novas indicações de saúde dadas pela OMS, Organização Mundial de Saúde, se recomenda que os pacientes com Fibrilação Atrial com mais de 65 anos de idade e que tenham pelo menos um outro problema de saúde como: insuficiência cardíaca congestiva, hipertensão, diabetes ou um AVC, tomem Anticoagulantes Orais.

A seguir, te contamos as principais características destes tratamentos.

ANTIPLAQUETARES:

  • Existem diferentes tipos de medicamentos Antiplaquetários e ainda que cada um atue de uma forma diferente, todos eles evitam que as plaquetas se aglutinem e formem coágulos.
  • O Antiplaquetar mais comúm é o ácido acetilsalicílico ou AAS, que ajuda a prevenir que se formem coágulos, mas não é um anticoagulante.
  • Os medicamentos antiplaquetares podem ser utilizados principalmente para: prevenir um ataque cardíaco ou AVC em pessoas com doença periférica arterial, para prevenir doenças cardíacas primarias e secundárias e tratar ataques cardíacos.
  • Os efeitos colaterais destes medicamentos podem incluir: Diarreia, coceira, dor de estômago, erupção cutânea e nauseas.
  • É necessário ir a um medico se qualquer sinal de sangramento incomum se apresenta, como sangue na orina ou nas fezes, sangramento nasal, hematomas incomuns, sangramento intenso por causa de um corte, fezes escuras, tosse com sangue, fluxo menstrual intenso e incomum, sangramento vaginal inesperado ou vomito.

ANTICOAGULANTES ORAIS:

  • Os Anticoagulantes Orais são medicamentos que previnem a formação de coágulos sanguíneos. Também evitam que os coágulos de sangue já existentes fiquem maiores, prevenindo Acidentes Vasculares Cerebrais (AVC).
  • Existem dois principais tipos de anticoagulantes, a Warfarina e os Anticoagulantes Orais Diretos (Aouxaban, Rivaroxaban, Debigatran), estes medicamentos desaceleram o processo de formação de coágulos no corpo.
  • Os anticoagulantes podem interagir com certos alimentos, medicamentos, vitaminas e álcool. Tenha certeza de que o especialista em atenção médica conheça todo os medicamento receitados.
  • É provável que sejam necessários exames de sangue regulares para comprovar o estado de coagulação do sangue e ajustar a dose necessária.
  • O tratamento com Anticoagulantes Orais deve ser sempre controlado cuidadosamente por um profissional especializado, porque existem fatores de risco e efeitos colaterais que devem ser levados em consideração.

Você sabia que existe uma alternativa, para tratar a Fibrilação Atrial, livre dos efeitos colaterais dos Anticoagulantes Orais e sem Antiplaquetários e que melhoram sua qualidade de vida? Visite https://viversemanticoagulantes.org/liberte-se-do-seu-anticoagulante/ e saiba mais sobre a Oclusão do Apêndice Auricular Esquerdo ou Implante OAAE.

Referências:

  1. Mayo Clinic – https://www.mayoclinic.org/es-es/diseases-conditions/atrial-fibrillation/symptoms-causes/syc-20350624
    2. Texas Heart Instituto – https://www.texasheart.org/heart-health/heart-information-center/topics/anticoagulantes/
    3. Cochrane – https://www.cochrane.org/es/CD001925/tratamiento-antiplaquetario-para-la-prevencion-del-accidente-cerebrovascular-en-pacientes-con
    4. Texas Heart Instituto – https://www.texasheart.org/heart-health/heart-information-center/topics/terapia-antiplaquetaria/
    5 – 10. Texas Heart Instituto – https://www.texasheart.org/heart-health/heart-information-center/topics/terapia-antiplaquetaria/
    6 – 15. Medline Plus – https://medlineplus.gov/spanish/bloodthinners.html
18/10/2021 por Admin

Veja também:

Coração
Setembro Vermelho: dificuldades com ereção podem indicar problemas cardiovasculares

Setembro Vermelho: dificuldades com ereção podem indicar problemas cardiovasculares

Homens com disfunção erétil têm aproximadamente duas vezes mais chances de sofrer...

Coração
Visita ao dentista como paciente anticoagulado

Visita ao dentista como paciente anticoagulado

Existem várias situações pelas quais uma pessoa deve receber tratamento com anticoagulantes...

Coração
Viajando com um desfibrilador ICD

Viajando com um desfibrilador ICD

É importante saber que você pode viajar com segurança com um dispositivo...

ÚLTIMOS ARTIGOS

Sistema Nervoso
4 passos para o diagnóstico e tratamento preciso da distonia

4 passos para o diagnóstico e tratamento preciso da distonia

O paciente precisa ser avaliado por especialistas para evitar que a condição...

Sistema Nervoso
5 passos para viver melhor com a doença de Parkinson

5 passos para viver melhor com a doença de Parkinson

A condição tem sintomas progressivos ao longo do tempo, mas o tratamento...

Histórias
Convivendo com o Parkinson: "eu precisei ter o corpo doente para ter a alma curada"

Convivendo com o Parkinson: "eu precisei ter o corpo doente para ter a alma curada"

Com a doença há 10 anos, Henrique Alexandre encontrou no trabalho voluntário...

Assine nossa newsletter