Tudo sobre Morte súbita cardíaca e tipos de tratamentos

Coração

Se você ou alguém que você ama foi diagnosticado com maior risco de morte súbita cardíaca, você pode estar se sentindo nervoso, ansioso ou confuso. Durante esse momento, é importante fazer perguntas, reunir informações e aprender tudo o que puder para ajudá-lo na jornada a prosseguir. Explore esta seção para obter mais informações sobre a Morte súbita cardíaca.

O que é Morte súbita cardíaca?

A Morte súbita cardíaca é uma emergência médica grave e com risco à vida. Durante a Morte súbita cardíaca, a função cardíaca para - abruptamente e sem aviso. Isso causa uma rápida perda de consciência (desmaio). Sem tratamento imediato com desfibrilação (um choque elétrico no coração), podem ocorrer danos cerebrais e morte.

As definições de Morte súbita cardíaca e ataque cardíaco são completamente diferentes. Um ataque cardíaco é um problema de "encanamento" causado por um ou mais bloqueios nos vasos sanguíneos do coração que impedem o fluxo adequado. Uma pessoa que está tendo um ataque cardíaco está acordada e respirando.

A Morte súbita cardíaca é definida como um problema elétrico, causado por uma arritmia (batimento cardíaco irregular) que impede o coração de bombear sangue para o cérebro e órgãos vitais. Uma pessoa com Morte súbita cardíaca está inconsciente e sem respiração.

A cada 39 segundos, alguém morre de morte súbita cardíaca. American Heart Association. Heart Disease and Stroke Statistics - 2014 Update. Circulation. 2014; 129:e28-292

O que causa a Morte súbita cardíaca?

A Morte súbita cardíaca pode atingir pessoas de qualquer idade, gênero, raça e até mesmo aquelas que aparentam estar com boa saúde. Sabe-se que atletas profissionais de classe mundial no auge da forma física morrem subitamente durante eventos esportivos. Geralmente, isso é resultado de uma Morte súbita cardíaca.

A maioria dos casos de Morte súbita cardíaca é causada por um tipo de batimento cardíaco irregular (ou arritmia), conhecido como fibrilação ventricular. Os ventrículos são as câmaras inferiores do coração. Durante a fibrilação ventricular, essas câmaras batem muito rápida e irregularmente. Isso faz com que pouco ou nenhum sangue seja bombeado pelo corpo. Se não for tratada em alguns minutos, pode ocorrer morte.

Outras causas de Morte súbita cardíaca podem ser o resultado de problemas com o sistema elétrico do coração. Se os sinais elétricos do coração ficarem lentos ou pararem, ou se o músculo cardíaco não responder a esses sinais elétricos, pode ocorrer uma Morte súbita cardíaca.

Fatores de Risco

A maioria das doenças cardíacas e dos vasos sanguíneos pode levar à morte súbita cardíaca. Da mesma forma, muitos fatores de risco para doenças cardíacas também são fatores de risco para a Morte súbita cardíaca. Os fatores de risco comuns incluem:

  • Um histórico familiar de doença coronariana
  • Hipertensão
  • Colesterol alto
  • Obesidade
  • Diabetes
  • Estilo de vida sedentário
  • Tabagismo
  • Consumo excessivo de álcool
  • Idade

Um parente de primeiro grau de alguém que sofreu Morte súbita cardíaca tem mais do que o dobro do risco de morte primária.

Não há como saber o risco de Morte súbita cardíaca; portanto, reduzir o risco geral é a melhor estratégia. Converse com seu médico sobre sua situação de saúde específica.

Sintomas da Morte súbita cardíaca

O primeiro e frequentemente único sintoma da Morte súbita cardíaca é a perda de consciência – devido à falta de sangue no cérebro. Embora geralmente não haja sinais de alerta antes da ocorrência de uma Morte súbita cardíaca, alguns sintomas podem surgir com antecedência.

Embora geralmente não haja sinais de alerta antes de ocorrer a Morte súbita cardíaca, alguns desses sintomas podem surgir antes da Morte súbita cardíaca:

  • Fadiga ou fraqueza
  • Falta de ar
  • Desmaio
  • Tonturas ou vertigens
  • Palpitações cardíacas
  • Dor no peito

Algumas pessoas que supostamente morreram de "ataque cardíaco fulminante" podem, em vez disso, ter morrido de Morte súbita cardíaca.

Tratamento da Morte súbita cardíaca (PCS)

A Morte súbita cardíaca é uma emergência médica. A maioria das pessoas que sofre uma Morte súbita cardíaca morre por causa disso - geralmente em minutos. O tratamento imediato com reanimação cardiopulmonar (RCP) e um desfibrilador (um dispositivo que envia um choque elétrico para o coração) pode salvar vidas.

Existem dois tipos de desfibriladores:

  • Um desfibrilador externo (AED) é um pequeno dispositivo portátil que usa placas de eletrodo para diagnosticar um ritmo cardíaco anormal e administrar um choque elétrico, se necessário. Desfibriladores externos são utilizados em locais públicos como escolas, aeroportos e hotéis. Espectadores não treinados podem usar esses dispositivos para aplicar um choque elétrico no tórax de alguém com Morte súbita cardíaca.
  • Um cardioversor desfibrilador implantável (ICD, sigla do inglês implantable cardioverter defibrillator), como o Sistema S-ICD EMBLEM MRI, é um dispositivo implantado cirurgicamente que pode detectar batimentos cardíacos irregulares ou perigosos e aplicar choques salva-vidas para ajudar a retornar o ritmo ao normal.

Um cardioversor desfibrilador implantável (ICD, sigla do inglês implantable cardioverter defibrillator é um dispositivo implantado cirurgicamente que pode detectar batimentos cardíacos irregulares ou perigosos e aplicar choques salva-vidas para ajudar a retornar o ritmo ao normal.

Quais as chances de sobrevivência para uma pessoa que teve Morte Súbita Cardíaca?

Mesmo nas melhores condições de resposta a emergências, a Morte súbita cardíaca é uma condição difícil de tratar. Considere estes fatos:

  • Cerca de metade de todas as paradas cardíacas não são testemunhadas; a vítima estava sozinha1
  • Mais de 80% das paradas cardíacas ocorrem em casa ou em locais não públicos, como no escritório1
  • A sobrevida relatada de Morte súbita cardíaca fora do hospital varia de 0% a 51%, com uma média nacional de apenas 8%

As chances de sobreviver a uma Morte súbita cardíaca diminuem em 7-10% a cada minuto que passa sem um choque salva-vidas. A boa notícia é que o tratamento imediato com reanimação cardiopulmonar (RCP) e um desfibrilador (um dispositivo que envia um choque elétrico ao coração) pode salvar vidas. Na verdade, demonstrou-se que a desfibrilação interrompe efetivamente 95% ou mais dos ritmos cardíacos perigosamente rápidos.

Demonstrou-se que a desfibrilação interrompe efetivamente 95% ou mais dos ritmos cardíacos perigosamente rápidos.

É possível ter Morte Súbita Cardíaca mais de uma vez?

É importante saber que, se você já vivenciou uma Morte súbita cardíaca, corre alto risco de ter outro episódio. Mas mesmo se você não teve uma Morte súbita cardíaca, se você tem fatores de risco para Morte súbita cardíaca, seu médico pode recomendar o mesmo tipo de tratamento. 

Quer saber mais?

Para entender a extensão da situação, assista a gravação da LIVE: “Morte súbita: O que é? Quais são os sintomas? Como prevenir?” e tire todas as suas dúvidas. https://youtu.be/UmQpwXUEuAw

18/10/2021 por Admin

Veja também:

Coração
Setembro Vermelho: dificuldades com ereção podem indicar problemas cardiovasculares

Setembro Vermelho: dificuldades com ereção podem indicar problemas cardiovasculares

Homens com disfunção erétil têm aproximadamente duas vezes mais chances de sofrer...

Coração
Visita ao dentista como paciente anticoagulado

Visita ao dentista como paciente anticoagulado

Existem várias situações pelas quais uma pessoa deve receber tratamento com anticoagulantes...

Coração
Viajando com um desfibrilador ICD

Viajando com um desfibrilador ICD

É importante saber que você pode viajar com segurança com um dispositivo...

ÚLTIMOS ARTIGOS

Sistema Nervoso
4 passos para o diagnóstico e tratamento preciso da distonia

4 passos para o diagnóstico e tratamento preciso da distonia

O paciente precisa ser avaliado por especialistas para evitar que a condição...

Sistema Nervoso
5 passos para viver melhor com a doença de Parkinson

5 passos para viver melhor com a doença de Parkinson

A condição tem sintomas progressivos ao longo do tempo, mas o tratamento...

Histórias
Convivendo com o Parkinson: "eu precisei ter o corpo doente para ter a alma curada"

Convivendo com o Parkinson: "eu precisei ter o corpo doente para ter a alma curada"

Com a doença há 10 anos, Henrique Alexandre encontrou no trabalho voluntário...

Assine nossa newsletter