O que é a doença de Parkinson e quais tratamentos disponíveis?

Sistema Nervoso

A doença de Parkinson é um distúrbio do movimento que afeta mais de dez milhões de pessoas em todo o mundo. A doença é progressiva - o que significa que avança com o tempo - e degenerativa, porque é caracterizada por um declínio contínuo das células produtoras de dopamina na região motora do cérebro.

A dopamina é uma substância química importante que o cérebro usa para regular os movimentos. Seu declínio na doença de Parkinson reduz a capacidade do paciente de controlar ou iniciar o movimento, resultando em sintomas como tremor, movimento lento, rigidez e instabilidade postural.

O que causa a doença de Parkinson?

Embora a doença de Parkinson tenha sido descrita pela primeira vez há mais de 200 anos, sua causa exata ainda é desconhecida. Alguns estudos sugerem que pode ser genética, mas apenas cerca de 15% das pessoas com doença de Parkinson têm histórico familiar. A maioria dos cientistas acreditam que ela é causada por uma combinação complexa de fatores genéticos e ambientais.

Sintomas da doença de Parkinson

Sintomas motores

Os sintomas motores podem tornar as atividades da vida cotidiana desafiadoras.

Tremor

Movimentos lentos

Rigidez

Instabilidade postural

Passos aleatórios

Problemas de dicção

Sintomas não motores

Mesmo que a doença de Parkinson seja um transtorno do movimento, os sintomas não motores podem ter um impacto muito grande na sua qualidade de vida.

Diminuição do olfato

Depressão ou problemas de humor 

Dor

Insônia

Disfunção da bexiga ou do intestino

Fadiga

Opções de tratamento para a doença de Parkinson

Medicamentos

Embora o plano de tratamento de cada paciente seja diferente, quase todos começarão com medicamentos, pois estes tendem a ser mais eficazes nos estágios iniciais da doença de Parkinson.

O plano de medicação ideal varia de pessoa para pessoa, e seu médico pode ajudá-lo a encontrar o medicamento - ou combinação de medicamentos - certo para lhe dar o máximo de alívio com o mínimo de efeitos colaterais. Com o tempo, à medida que os medicamentos se tornam menos eficazes, as doses podem ser aumentadas e novos medicamentos podem ser adicionados.

Existem vários medicamentos que são utilizados para tratar a doença de Parkinson, incluindo:

Levodopa (L-DOPA)

COMO FUNCIONA

"Precursor" químico que o cérebro irá converter em dopamina.
Utilizado para substituir a dopamina que não está sendo
produzida no cérebro de pacientes com doença de Parkinson

NOMES DE MARCAS COMUNS

Larodopa®

Carbidopa

COMO FUNCIONA

Previne a degradação da Levodopa antes que ela atinja o cérebro.
Quase sempre administrado em conjunto com L-DOPA

NOMES DE MARCAS COMUNS

Parcopa® 

Sinimet® 

Rytary™ 

Duopa™ (carbidopa/levodopa)

Agonistas da dopamina

COMO FUNCIONA

Pode ser utilizado no lugar ou em combinação com a
levodopa

NOMES DE MARCAS COMUNS

Neupro® Mirapex® 

Requip® Parlodel® 

Dostinex® Apokyn® 

Permax™

Inibidores de catecol O-metiltransferase (COMT)

COMO FUNCIONA

Aumenta a concentração de dopamina no cérebro, dando
mais oportunidade para o medicamento funcionar

NOMES DE MARCAS COMUNS

Comtan® 

Stalevo® 

Tasmar®

Anticolinérgicos

COMO FUNCIONA

Reduz o tremor ou a rigidez

NOMES DE MARCAS COMUNS

Akineton® 

Artane® 

Cogentin®

Exercício para pessoas com Parkinson

Embora o exercício não possa tratar a doença de Parkinson, demonstrou-se que ele diminui o declínio. Em um estudo clínico com 10.000 pacientes, pelo menos duas horas e meia de atividade física por semana - incluindo exercícios de força, flexibilidade e aeróbicos - demonstrou prolongar uma melhor qualidade de vida.

Por que você não deve esperar?

A pesquisa mostra que o momento ideal para obter uma ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA é quando seus medicamentos estão começando a se tornar menos eficazes, mas antes que eles deixem de funcionar. Você notará que suas doses de medicamentos não funcionam até o final da dose; ou você tem que começar a tomar a medicação com mais frequência, ou sua medicação começa a causar discinesia aumentada.

Quanto mais cedo você conversar com seu médico sobre isso, você estará pronto para ir quando for a hora certa e não perder a oportunidade de receber terapia de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA . Uma vez que seus movimentos não responderem mais à medicação, você não é mais um candidato à ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA .

Progressão da doença de Parkinson

No momento em que as pessoas com doença de Parkinson geralmente começam a sentir os sintomas, a maioria de seus neurônios motores já foi perdida ou prejudicada. Lentamente, com o tempo, os sintomas pioram e se tornam mais difíceis de controlar com medicamentos. Além disso, os medicamentos para a doença Parkinson também podem começar a produzir efeitos colaterais indesejados, tais como movimentos descontrolados conhecidos como discinesia, bem como alucinações. A progressão da doença varia consideravelmente de pessoa para pessoa.

Os sinais de que seu medicamento está se tornando cada vez menos eficaz incluem:

  • Você tem menos horas por dia com bom controle de seus movimentos (menos "tempo ON").
  • Leva mais tempo para o seu medicamento fazer efeito após a administração de uma dose.
  • A sua medicação parece passar mais cedo do que antes.
  • Você tem que tomar seus medicamentos com mais frequência.
  • Você começa a sentir efeitos colaterais como movimentos indesejados (discinesia).

Doses de L-DOPA

Inicialmente, muitos pacientes alcançam um bom controle motor com a terapia com L-DOPA. Conforme a dose passa, os sintomas da doença de Parkinson retornam. 
À medida que a doença avança, os pacientes precisarão tomar doses adicionais em intervalos mais frequentes para atingir o controle.

Discinesia

Doses muito altas de levodopa podem causar efeitos colaterais indesejados, como discinesia, movimentos rápidos e descontrolados. As oscilações são frequentemente um catalisador para a mudança para outro medicamento.

O que fazer quando perceber uma mudança

À medida que você percebe que seu medicamento está começando a se tornar menos eficaz, é fundamental intervir imediatamente. Informe o seu médico como os seus sintomas estão mudando, para que ele possa fazer alterações no seu tratamento no momento certo. Esperar muito pode significar que você perderá uma oportunidade de tratamento que pode ser mais eficaz do que apenas a medicação.

Cirurgias para Parkinson

Cirurgia ablativa

A palidotomia e a talamotomia são cirurgias irreversíveis que usam a aplicação direcionada de calor para destruir o tecido neural que causa os sintomas da doença de Parkinson.

Estimulação Cerebral Profunda 

A Estimulação Cerebral Profunda é um procedimento cirúrgico desenvolvido para ajudar a controlar os sintomas motores, ao mesmo tempo que permite a redução dos medicamentos. Para que a Estimulação Cerebral Profunda seja eficaz, o dispositivo deve ser implantado quando os sintomas motores ainda respondem à levodopa; isto é, antes que os medicamentos para a doença de Parkinson comecem a perder o efeito.

Quando a medicação por si só não é mais suficiente, muitos pacientes recorrem à estimulação cerebral profunda para tratar os sintomas da doença de Parkinson, como tremores, rigidez e dificuldade para andar. Com uma intervenção precoce, a ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  pode reduzir os tremores, aumentar a mobilidade e pode até permitir que você reduza a quantidade de medicamento que precisa tomar - livrando-o dos efeitos colaterais desagradáveis.

Um sistema  de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  tem três partes - um estimulador que fornece pulsos elétricos suaves para fios ou eletrodos especializados colocados precisamente na região motora de seu cérebro e um fio isolado que conecta os dois, conhecido como extensão

A ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA é segura?

Embora haja risco em todas as cirurgias, a ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA não é uma terapia nova e, para muitos pacientes com doença de Parkinson, a terapia com ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA é uma parte normal da jornada do tratamento.

Mais de um quarto de século de estudos clínicos e experiências de pacientes testaram a segurança e a eficácia do tratamento da doença de Parkinson com ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA. Centenas de milhares de pacientes já estão vivenciando os benefícios. 

A jornada da ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA 

Ao obter a ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA , você trabalhará com uma equipe de especialistas que o ajudará a entender o que esperar de cada etapa e como se preparar. Ao contrário de muitos procedimentos, a ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA ocorre em diferentes etapas ou "fases"; aqui está uma visão geral das principais partes da jornada da ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  para ajudá-lo a se preparar.

  1. Explore suas opções

O melhor momento para fazer isso é quando os sintomas ainda estão respondendo aos medicamentos. Comece encontrando um especialista em distúrbios do movimento — um neurologista com treinamento especial no tratamento de distúrbios do movimento, como a doença de Parkinson.

  1. Faça uma avaliação para cirurgia de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA 

Neste estágio, você passará por uma série completa de triagens para garantir que é um bom candidato para ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA . Isso pode incluir uma consulta neurológica, testes ON/OFF, uma avaliação neuropsicológica, uma triagem geral de saúde, geração de imagens do cérebro e trabalho laboratorial de rotina.

  1. Cirurgia de implante de eletrodos

A primeira etapa do processo cirúrgico é colocar os eletrodos no cérebro. Durante a cirurgia, o médico pode realizar testes para garantir que os eletrodos estejam posicionados corretamente, solicitando que você mova os braços e as pernas ou faça outros movimentos simples. Depois disso, espera-se que fique no hospital pelo menos uma noite para monitoramento.

  1. Implante do estimulador

Este é um procedimento cirúrgico ambulatorial que normalmente ocorre uma ou duas semanas após o implante dos eletrodos. Quando o estimulador for implantado, você estará sob anestesia geral e o estimulador será conectado aos seus eletrodos por meio da extensão.

  1. Programação e otimização

Após sua cirurgia e recuperação, seu sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  será ligado e as configurações de estimulação serão personalizadas para você. Nos meses seguintes ao implante do seu dispositivo, você trabalhará em conjunto com sua equipe de tratamento para realizar ajustes nas configurações de estimulação e em seus medicamentos para ajudar a controlar melhor os sintomas.

Principais dúvidas sobre ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA:

1: A ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA é segura?

Duas décadas de tratamento com ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  para mais de 100.001 pacientes mostraram a segurança em curto e longo prazo da ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA . A cirurgia de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  deve ser realizada por um neurocirurgião experiente que trabalha como parte de uma equipe interdisciplinar. Como em qualquer procedimento cirúrgico, existem riscos e potenciais efeitos colaterais, que variam de acordo com o paciente. Embora a maioria seja temporária e possa ser revertida ou reduzida por meio de estimulação, você deve discutir esses riscos com seus médicos.

2: Eu poderia ser um candidato à ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA?

O candidato ideal continua a responder positivamente ao tratamento com levodopa, mas é incapaz de controlar os sintomas motores de sua doença apenas com a medicação. A cirurgia de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  seria realizada por um neurocirurgião trabalhando em uma equipe interdisciplinar. Seu neurologista e outros médicos com quem você trabalha podem determinar se a ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  é uma terapia adequada para você e seus sintomas.

3: Posso interromper minha medicação após a cirurgia de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA?

Às vezes, a cirurgia bem-sucedida de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  pode levar a uma redução na medicação e potencialmente reduzir seus efeitos colaterais, embora o tratamento não tenha como objetivo substituir a medicação.

4: Quanto tempo meu sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA vai durar?

Os sistemas recarregáveis são concebidos para durar pelo menos 15 anos. O sistema não recarregável deve durar de 3 a 5 anos.

6: É possível fazer uma ressonância magnética com implante de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA?

Sempre consulte seu médico para saber qual modalidade de geração de imagens será sua melhor opção e compatível com o seu implante.

7: Posso ter um implante de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA se já tiver um marcapasso?

Normalmente, os implantes de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  são colocados no mesmo local que os marcapassos. Entretanto, um implante de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA conectado a cabos de extensão pode ser inserido no lado direito do tórax ou sob a pele do abdômen.

8: Posso viajar com meu implante de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA?

Sim, você pode viajar com seu sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA . Detectores de metal, máquinas de raio-X, scanners de segurança e outros dispositivos de segurança não danificarão o implante, mas podem causar estimulação não intencional. O implante também pode ativar alarmes de detectores de metal; portanto, é recomendável levar sempre consigo o cartão de identificação do paciente.

9: O que sentirei quando meu dispositivo de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA for ligado?

Durante a programação inicial, você pode sentir uma sensação de formigamento. Isso ajuda a identificar suas configurações ideais. Depois disso, a maioria dos pacientes quase não percebe o dispositivo. Embora alguns sintam um leve formigamento no braço ou na perna, ou uma leve tensão nos músculos faciais que geralmente diminui.

10: O dispositivo de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA faz barulho?

Não, o dispositivo de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  é totalmente silencioso.

11: Outras pessoas poderão notar meu dispositivo de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA?

Como o estimulador de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  e os fios são colocados sob a pele, dificilmente são perceptíveis do lado de fora. Para pacientes magros, o local do estimulador estará ligeiramente elevado e o fio pode parecer uma veia ligeiramente maior, mas isso não deve ser perceptível através da roupa. A incisão geralmente deixa uma pequena cicatriz.

Vivendo com seu Sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA 

O sucesso da terapia começa com check-ups regulares

Em seus exames regulares com seu médico, discuta qualquer mudança em seus sintomas, para que ele possa ajustar seu dispositivo para trazer alívio.

Carregando seu sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  recarregável

A cada uma ou duas semanas, coloque o colar de carregamento leve e sem fio sobre os ombros e relaxe - você pode fazer isso na frente da TV ou enquanto lê um livro.

Usando seu controle remoto de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA 

O controle remoto é utilizado para ligar, desligar, aumentar ou diminuir a estimulação ou para alterar seu programa de estimulação se o seu médico configurou programas diferentes para você. Também fornece o status da bateria para que você saiba se é hora de recarregar.

Seu sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA em casa

A maioria dos eletrodomésticos e dispositivos eletrônicos (como computadores) que estão funcionando e aterrados adequadamente não interferem no sistema de estimulação cerebral profunda.

Entretanto, alguns aparelhos podem ter ímãs que podem fazer com que seu aparelho ligue ou desligue.

E embora você possa usar um telefone celular, sugere-se que você não coloque o telefone diretamente em cima do dispositivo, no bolso de uma camisa ou casaco, por exemplo.

Viajando com seu sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA 

A passagem por alguns detectores de metal ou portões de segurança, como os de aeroportos e lojas de departamentos, pode aumentar a estimulação ou desligar o sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA .

Antes de passar por um portão de segurança, mostre o cartão de identificação do seu dispositivo ao segurança e solicite uma revista manual. Se uma haste de segurança for utilizada, peça ao pessoal de segurança para evitar colocá-la sobre o seu dispositivo.

Atividades a serem evitadas

Você deve ser capaz de retornar à maioria de suas atividades diárias e exercícios favoritos assim que seu sistema de ESTIMULAÇÃO CEREBRAL PROFUNDA  for implantado; entretanto, certos esportes ou exercícios podem aumentar o risco de danificar o hardware do sistema. Seu médico pode dizer se há certas atividades que você deve evitar.

Substituindo sua bateria

Cada vez que você for ao médico para fazer um check-up, o nível da bateria e o desempenho do dispositivo serão verificados.

Se você tiver um sistema recarregável, talvez nunca seja necessário substituir a bateria. A longevidade da bateria dependerá de quanta estimulação você está programado para receber por dia, mas a vida média da bateria é de cerca de 3 a 5 anos.

Suporte pós-implante

Estamos sempre aqui para ajudá-lo se precisar de nós e estamos à distância de um telefonema ou e-mail. Mas se algo não estiver certo, ligue para o seu médico. 

Quer saber mais?

Para entender a extensão da situação, assista a gravação da LIVE: Doença de Parkinson e Transtornos do Movimento e tire todas as suas dúvidas. https://youtu.be/kBlXt215Fss

Agora que você se informou sobre O que é a doença de Parkinson e quais tratamentos disponíveis, aproveite e acesse demais conteúdos sobre Sistema Nervoso

Saiba mais sobre o Saber da Saúde

Saber da Saúde é uma iniciativa da Boston ScientificTM com o objetivo de disseminar conhecimento científico sobre saúde para o maior número de brasileiros possível.

A desinformação não pode ser um obstáculo para o acesso à saúde. Acreditamos que com informação confiável, pacientes e redes de apoio podem tomar decisões com mais agilidade, obtendo diagnósticos mais cedo e buscando tratamentos cada vez mais eficazes, oferecendo suporte mais adequado para as condições de cada paciente.

Veja também:

Sistema Nervoso

Será que é Parkinson: Conheça os primeiros sintomas

Será que é Parkinson: Conheça os primeiros sintomas

Nem só de tremores se faz um diagnóstico preciso da doença...

Sistema Nervoso

3 mitos que atrapalham o tratamento do Parkinson

3 mitos que atrapalham o tratamento do Parkinson

A doença não afeta apenas idosos e nem sempre o paciente te...

Sistema Nervoso

Parkinson: como é a cirurgia de Estimulação Cerebral Profunda?

Parkinson: como é a cirurgia de Estimulação Cerebral Profunda?

O procedimento pode ser indicado para o tratamento da doença...

ÚLTIMOS ARTIGOS

Sistema Circulatório

Por que o pé diabético não cicatriza?

Por que o pé diabético não cicatriza?

A conta é simples: uma úlcera ou infecção ativa somada à...

Sistema Circulatório

Por que o pé diabético fica dormente?

Por que o pé diabético fica dormente?

Altas taxas de glicose no sangue podem atingir os nervos dos ...

Sistema Circulatório

Pé diabético: você sabe o que é isso?

Pé diabético: você sabe o que é isso?

O que uma doença metabólica tem a ver com os pés? Tudo. A falta de ...

Assine nossa newsletter